Paul Klee, Bauhaus e o design hoje

Será que ainda hoje testemunhamos lições deste mestre?

Hoje em dia se fala tanto de um tal de Skeumorphism,  Flat design, tendências que aparecem e desaparecem. De onde vieram estas tendências? A busca por referências no passado ainda é obsessiva, para se obter respostas sobre questões e indagações que não conseguimos solucionar sem cair no clichê. Então porque não buscar no inicio do livro?

Klee

Quando o nome Paul Klee vinha à tona sempre gerava confusão artística, pois ele não se enquadrava em nenhuma escola. Alguns diziam que ele fazia parte do cubismo, outros acreditavam que fazia parte do expressionismo e até o surrealismo.

Desenhista nato, fez de seu dom um laboratório técnico. Desenvolveu incrível habilidade com a paleta de cores e suas combinações. A maioria de seus trabalhos combina estas habilidades. Ele usa uma grande variedade de paletas de cores, que seguem desde o quase monocromático até ao altamente policromático.

Muito criativo e curioso trabalhou com vários materiais diferentes – tinta a óleo, aquarela, tinta preta, rascunho entre outros materiais , fazia uso de técnicas de pintura a esguicho (spray), recortes com facas, carimbos e verniz.

O uso freqüentemente de formas geométricas, além de letras, números, setas e as combinações com figuras de animais e de pessoas. Grande parte de suas obras e seus títulos refletem seu humor seco e seus ânimos variados. Suas obras aludem, freqüentemente, à poesia, à música e aos sonhos, e, às vezes, incluem palavras ou notações musicais.

Desenhava com freqüência através de transferências (como desenho em cima do carbono), dificilmente direto no papel. Possuía obras abstratas com grande complexidade.Estudou física compulsivamente, para equilibrar as formas, havia nele uma compulsão pelo equilíbrio das cores e das formas.

Juntando-se ao corpo docente da Bauhaus

Paul Klee

Em 25 de novembro de 1920, foi convidado pelo arquiteto Walter Gropius a participar do corpo docente da Bauhaus, Então, em 1921, Klee mudou-se de Munique para Weimar para assumir seu papel de mestre de forma na oficina de artefatos de vidro. Na década seguinte, Klee lecionaria nos institutos de Weimar e Dessou Bauhaus.

A Bauhaus, nesta época, foi forçada pelos nazistas a deixar Dessau e a se estabelecer em Berlim. Em 1932, Klee foi violentamente atacado pelos nazistas e, próximo ao Natal daquele ano, retornou a Berna, onde desenvolveu sua fase artística derradeira, baseada em um desejo pro simplicidade. Agora ele também se encontrava perto da pobreza, pois seus recursos financeiros na Alemanha haviam sido confiscados.

Seus trabalhos desse período são muito mais amplos, com uma boa qualidade linear e traços geométricos em negrito.Com o tempo suas linhas, se transformaram em barras pretas, as formas generalizadas, em maior escala e as cores mais simples. Em 1934, aconteceu sua primeira exposição inglesa, e uma ampla retrospectiva foi apresentada em Berna em 1935.

No mesmo ano, ele desenvolveu os primeiros sintomas de câncer de pele e depois de um período depressivo em 1937, retornou o trabalho com significante vitalidade. Enquanto isso, na Alemanha, alguns de seus trabalhos foram expostos em uma “exibição de arte degenerada”, e mais adiante 102 deles seriam confiscados de coleções públicas.

Influente na pintura e em outras formas artísticas.Paul Klee também é uma das referencias no Design, ter lecionado por 10 anos na Bauhaus ao lado de seu amigo

Wassily Kandinsky, que Klee acreditava ser de alguma forma seu aluno, pois acreditava que Kandinsky era tecnicamente superior na pintura.

Klee e o Design de Hoje

Porém se saltarmos na história do design, conseguimos ver em nosso dia-a-dia traços de suas técnicas e ensinamentos. Em embalagens, sites, impressos, encadernações e até no artesanato.  Dois exemplos:

No Flat Design, presente na interface Metro do Windows 8, desenvolvida por Paula Scher, visualizamos um exímio equilíbrio, no qual Klee tanto se empenhava e simplicidade na qual ele buscava a liberdade para seu traços.

Interface Metro do Windows 8, uma influência.

No Skeumorphism, famoso na versão do Mac OS X Lion, vemos traços das misturas de técnicas e busca por elementos vintage , como texturas de couro e páginas com linhas, técnicas aplicadas por Klee em sua composições.

Se buscarmos a fundo, ainda utilizamos muitos conceitos e ensinamentos de Klee e principalmente do que foi ensinado na Bauhaus. Ainda me arrisco a dizer, que se não fosse a Bauhaus, não haveria Dieter Rams trabalhando na Braun e muito menos Paul Rand teria criado logos como da IBM. Olhar para trás ás vezes, pode trazer soluções grandes soluções.Pensem nisso!!

A arte não existe para produzir o visível, e sim para tornar visível o que está além.
Paul Klee

Referência: http://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Klee

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.