Justu – O calor garageiro de Ribeirão Preto

Justu-Claudinho Spinola
Foto: Claudinho Spinola

1-Antes de qualquer coisa, fale um pouco sobre o surgimento do Justu?

JOCA – O Justu começou em Ago de 2017. Lancei um 1º EP chamado “Dela” sozinho acompanhado por uma bateria eletrônica mas, não queria ir pro palco sozinho. Então lembrei de um cara que já tinha tocado em bandas punks daqui da região. Esse figura em questão é o Jofra, um baterista de pegada forte, simples e criativo, sem ser virtuoso. Conversamos sobre o projeto musical e Business e ele topou. Aí ele pegou as músicas que já estavam gravadas com bateria eletrônica, acrescentamos outras e pronto.

2- Quais as influências da banda?

JOCA – A base é o punk 77 e o pós punk 80. Ramones, Pixies, Joy Division, Clash, Jesus and The Mary Chain, Mercenárias, Fellini, Cólera. A gente tem uma pitada de Garage Bands dos 60 e 90 como The Zombies, Velvet Underground, Sonic Youth, My Blood Valentine, Kinks. Atualmente estamos ouvindo muito The Liminanas, Courtney Barnett, Allalas, Moom Duo entre tantos.

Justu-Tio Gica
Foto:Tio Gica

3- Porque um duo e como a logística de um duo impacta ao marcar shows?
JOCA – Eu pensei num duo porque sou minimalista em essência. Na tarefa de organizar uma banda, o gerenciamento de projetos pessoais é algo muito estressante. Um duo tudo fica mais fácil no quesito gestão. A parte artística precisa ser bem pensada pois, a dinâmica dos arranjos são bem peculiares. No Business é bom e ruim. As possibilidades para shows são boas, mas o investimento é feito somente pelos dois, o que acaba sendo pouco. Trabalhamos com um planejamento financeiro bem pé no chão.

4- Como é ser guitarrista e baterista numa formação de duo?
JOCA – Meu instrumento de origem é o baixo, sou baixista. Acabei aprendendo alguns acordes e aí peguei gosto. Acho que seu fosse um baita guitarrista não teria coragem de tocar em duo mas, como não sou me sinto mais à vontade para exercitar o meu minimalismo.

JOFRA – Sou um baterista auto de data. Aprendi a tocar ouvindo vinis, CDs e principalmente fitas cassetes de bandas como Ramones, Sex Pistols, The who, The Monkeys, Cólera, Restos de Nada, entre tantas outras em que criatividade e entusiasmo superam qualquer técnica.

5-Os Ep’s Não, Não, Não, Não e Dela, foram gravados de que forma? Nos fale um pouco sobre o processo de gravação destes registros?
JOCA – O EP Dela (2017) foi gravado e produzido por Flavio Politi. Um velho amigo aqui de RP num home studio. Já levei as batidas prontas e gravamos guitarras e vocais de uma forma bem roots. O EP Não, Não, Não, Não (2018) o processo já foi mais profissional. Trabalhamos com o Boris Heitor do Stone Estúdio de Frutal – MG. O Cara é bem detalhista e exigente e extraiu o máximo da gente. Gostamos mas achamos que perdemos um pouco da espontaneidade natural dos duos. Foi um aprendizado.

Justu-Guga Loures
Foto:Guga Loures

6-Atualmente estão envolvidos em algum processo de gravação?
JOCA – Recentemente (abr.19) gravamos 03 singles (Aeroplano, Só mais uma vez, e Vai embora) este último ainda não lançado. O estúdio foi o Quadrophenia do velho amigo desde os tempos de Momento 68, Sandro Garcia. Depois da experiência de Não, Não, Não, Não (2018) queríamos um resultado mais orgânico e natural com a qualidade técnica de quem sabe o que isso significa. Sandro foi perfeito. Atualmente estamos trabalhando em mais 03 canções que se tornarão os próximos singles.

7-Diz aí, 5 livros/HQ’s, 5 filmes e 5 discos favoritos que você levaria para uma ilha deserta?

JOCA – 05 Livros: Sou meio descuidado com leitura mas vamos lá.
Werther – Goethe.
A Montanha Mágica – Thomas Mann.
Gostei muito do livro da Patti Smith chamado – Linha M.
Barulho – André Barcinski
Retrato do Artista Quando Jovem – James Joyce.

HQ’s não são meu forte, gosto do Robert Crumb, Angeli, Laerte e a turma da Chiclete com Banana.

05 filmes:
Paris Texas e Asas do desejo – Wim Wenders
Contato – Robert Zemeckis
Apocalypse Now – Coppola
As Virgens Suicidas – Sofia Coppola.

05 discos:
The Velvet Underground and Nico (o da Banana)
Psychocandy – Jesus and The Mary Chain
Surfer Rosa – Pixies
Cadê as Armas? – Mercenárias
O Adeus de Fellini – Fellini.

JOFRA – Gostei do exercício de memória rs  5 livros:
Do Princípio do Federalismo – Pierre Joseph Proudhon
Zero – Ignácio de Loyola Brandão
On The Road – Jack Kerouac
À Sombra do Cipreste – Menalton Braff
Dom Quichote de La Mancha – Miguel de Cervantes.

Quadrinhos: 
Chiclete com banana  –  Angeli
Cospe Fogo – Arnaldo Júnior e Cordeiro de Sá
Geraldão – Angeli
O Menino Maluquinho – Ziraldo.

Filmes:
O Cheiro do Ralo
Bastardos Inglórios
Sem Destino
Quem quer ser um milionário
Cidade de Deus.

5 discos:
It’s a Live – Ramones
Pela Paz – Cólera
Blank Generation – Richard Hell
Clandestino – IRA!
Canções de Ninar – Garotos Podres 
Grito Suburbano.

8-Qual mensagem/conselho você deixaria aqui para bandas iniciantes? De que forma podem produzir seus discos e divulgá-los?
JOCA – Olha eu acho que se você sente o talento que tem deve arriscar e investir.
Eu uso uma regra que aprendi com meu velho pai. Seja constante. Não precisa ter pressa, precisa ser constante na parte artística, bem como no business. Não existe uma fórmula certa de como se deve fazer as coisas. Simplesmente faça e descubra o seu jeito fazer.

JOFRA – Mantenha-se em forma. Sempre tocando, se atualizando, ouvindo sons novos para aguçar a criatividade e quando aparecer uma oportunidade pra você mostrar o que sabe aproveite sem moderação.  Seja você mesmo!

Redes Sociais:
FACEBOOK
INSTAGRAM