Denso e imersivo, “Ritus Movedissus” é o álbum de estreia da tocantinense “em agosto chove”

Essências movediças em expansão, corpos e ideias que mudam de forma e significado: em agosto chove não é uma banda, é um grupo colaborativo de rock alternativo surgido no final de 2019 em Palmas, formado por 7 jovens que mesclam sonoridades, em contínua experimentação. Unindo ideias, exploram timbres, efeitos, tempos e contratempos, na busca de ultrapassar limites particulares e coletivos, físicos e mentais.

Ritus Movedissus, lançado nesse sábado, 7 de agosto, é a materialização das propostas filosóficas e sonoras experienciadas pelo grupo durante 2 anos, antes e durante o isolamento social. Com a proposta de desafiar o ouvinte a expandir a mente e mergulhar em questionamentos febris, o disco conta com 9 faixas gravadas por diferentes integrantes, em casa e em estúdio, sendo finalizadas no Estúdio Blackbird e lançadas pelo selo independente Wheels Of Confusion Records.

Ouça aqui: https://www.youtube.com/watch?v=vL5GPWQgPMo

Multi-instrumentistas, eles se revezaram para registrar as 9 canções em contexto pandêmico, enfrentando o desafio de transmitir a atmosfera densa e dinâmica de músicas nascidas de jam sessions, longos ensaios e improvisos. Amigos de longa data, a forte conexão que desenvolveram através da música e de trabalhos espirituais compartilhados transborda na pouco mais de meia hora de duração do disco.

“Ritus Movedissus é a síntese da descoberta alquímico-sonora que fizemos ao longo de 2 anos. Uma viagem ao centro do som, onde tempo, espaço e tonalidade se dissolvem na mais pura experiência do ser” comenta Luís “O Alquimista”, um dos integrantes.

Trazendo experiências astrais, percepções alteradas de tempo, morte e vida, questionamentos sobre Deus e o universo, além de tantos outros assuntos filosóficos e espirituais, o disco é o retrato de constantes transformações, rituais e consagrações. É celebração de amizade, irmandade e do amadurecimento que perpassa a autodescoberta da criação artística coletiva.

“O álbum enfim realizado é uma amostra riquíssima da sonoridade de todos os integrantes. Muito daquilo que foi tocado no meu estúdio jamais será feito de novo. Talvez seja essa a essência retratada no nome da banda: em agosto chove raramente, mas é certo que esse ano choverá” profetiza MamedKarin, padrinho da banda e pai do baterista.

O grupo em agosto chove é Iury Grooveman, Gabriel Worm, Luís “O Alquimista”, Lucas Andrade, Luzo Cairo, Antonio Karin, Caio Cesar e toda a rede de apoio que acompanhou e atuou ativamente no processo do disco.

Ficha técnica:

Antonio Chaaban – Bateria, baixo, guitarra.
Luis Felipe – Guitarra, violão, baixo, voz e letras.
Lucas Andrade – Guitarra base e solo.
Yuri Grooveman – Baixo e synth.
Luzo – Vocais e letras.
Gabriel Worm – guitarra, violão, baixo, synth, rhodes, órgão, letras, produção e mixagem.
Gravado e mixado no BlackBird-PMW.
Foto da capa do álbum por Mario Barroso.
Wheels Of Confusion Records.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Tolstói, Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.