Juventude – Novo álbum do Nosso Querido Figueiredo

Nosso Querido Figueiredo é um projeto musical idealizado por Matheus Borges em 2008, após uma decepção amorosa e o segundo turno das eleições municipais. Lançou cerca de 50 gravações (entre álbuns e EPs) em quase uma década de atividade. O som de Nosso Querido Figueiredo é caracterizado por sintetizadores digitais, linhas de baixo e baterias eletrônicas. Passeou pelo pós-punk, pelo samba eletrônico e pelo noise pop, sempre fiel à estética lo-fi da gravação caseira.

O próprio Matheus Borges, fala um pouquinho sobre A gravação do novo álbum do Nosso Querido Figueiredo, chamado “Juventude”;

Por dois anos eu vinha cultivando na minha cabeça uma canção esquisita que dizia diretamente ao ouvinte: Esse é o som do fim da sua juventude. Se deu na maior parte entre o outono e o inverno de 2017, um período de tédio e frio em que a umidade de Porto Alegre penetrava no teclado do meu computador. Eu acompanhava os acontecimentos do Brasil e do mundo nos noticiários, ao mesmo tempo em que lidava com minha própria ansiedade, minha própria depressão sazonal – não tão incomum entre os habitantes desta cidade que passa semanas sem receber ao menos um raio de sol nos meses de julho ou agosto.

Alguns conceitos que permeiam a temática do disco

Ansiedade: Perceber que estou envelhecendo, mas não necessariamente amadurecendo.
Amadurecer é uma condição anterior à velhice.
Envelhecer é a resposta do corpo ao processo interno de aceitar a idade adulta.
Senso comum: Primeiro, a sabedoria. Depois, os cabelos brancos.
No entanto, tenho entradas na testa e ainda não me sinto sábio.

Moro debaixo de um teto e tenho animais de estimação. Tenho livros, muitos livros, tenho uma palavra atrás da outra para justificar um momento que não chega. Tenho um diploma e um grande passado pela frente.

Sim, esse é o fim da minha juventude. Mas isso não quer dizer que eu tenha amadurecido.
Afinal de contas, o que é a juventude?

É um recorte temporal na vida de alguém ou simplesmente um estado de espírito?
Ansiedade: Não tenho paciência para as perguntas. Quero inventar minhas próprias respostas.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *