RaroZine Fest – Peixes Fritos, Urutu e Motor City Madness

Neste último domingo 20/11 em Bragança Paulista, podemos acompanhar mais uma edição do Rarozine Fest no Centro Cultural Geraldo Pereira, com os gaúchos do Motor City Madness e a presença dos paulistanos do Urutu, com os piracaienses do Peixes Fritos e os bragantinos do Big Motor .A tarde estava bem ensolarada e mesmo com a 10ª Parada do Orgulho Gay em Bragança, ocorrendo próxima do evento, havia um público considerável. Aliás vale ressaltar, que esta diversificação é positiva, pois as pessoas tem inúmeras opções de entretenimento.

Quem chuta a porta com força, é os nossos garotos dos Peixes Fritos, representando o HC melódico na região, quebraram tudo…destaque para cover do Churumi (Harry Nóia/Black Emo Metal) e Hey.

Peixes Fritos

 

Na sequência o destaque do dia, Urutu, com uma receita difícil de fazer, só para chefs de cozinha experientes, mas colocaremos aqui no post como executar.

Misturando no caldeirão:

½ copo de Punk Rock
1 pacote de farinha ( Heavy metal oitentista )
1 xícara de Iron Maiden
1 colher de Motorhead

Pronto.. impossível ficar ruim, tirando a brincadeira.Banda incrível, cozinha sincopada, guitarrista exorbitante, licks com uma elegância de dar inveja ao Fast Eddie Clarke. Dispensa comentários.

Urutu no Rarozine Fest

A terceira banda foi o Motor City Madness, fugidos da Escandinávia, com aquele Rock N’ Roll repleto de punch, muito bem tocado e intenso.Apresentação da banda foi o ponto de destaque, agitando o esqueleto de todos.

Motor City Madness

Aguardamos a próxima edição ansiosos, até breve!!

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *