Throe transita entre o peso e o post-rock em Último Céu

A Abraxas Records, em parceria com a Sinewave Label, lançam o ‘Último Céu’, inédito single do throe, experimento pessoal do Vina, guitarrista do Huey, cuja sonoridade é construída por beats, loopings e menções ao post-rock, shoegaze, noise e industrial.

Ouça ‘Último Céu’ aqui: https://ps.onerpm.com/8546421422.

‘Último céu’ é o single que também dá nome ao próximo disco. É uma música que se desdobra a partir da linha melódica inicial que costura, em diferentes níveis, toda a faixa até a explosão final carregada de dramaticidade.

Nesta nova música, o throe busca transmitir a ideia de solidão por meio de uma foto minimalista. Não à toa, a foto da capa é um registro fotográfico que Vina fez há alguns anos.

Como um organismo em contato constante com sentimentos, Vina refuta apontar o throe como um projeto. No entendimento do músico, projeto sugere começo e fim, o que não vislumbra a esta empreitada. “O throe é uma expressão necessária”, ele afirma.

O throe é uma ideia antiga do músico, mas ganhou registro somente em 2020 com o lançamento de dois singles e um EP: death feels like an embrace that’s not allowed, praise/breathe e odium, respectivamente, sendo que o último foi composto, gravado e produzido em parceria com João Silveira, do Test.

Em ‘Último Céu’, Vina assina a composição e toca guitarra, baixo, beat e synths. A mixagem e produção é de André Zanferrari (Crozta Estúdio) e a arte da capa de Thiago Minoru.

O throe é indicado para fãs de Mogwai, Jesu, Codeine, Nadja, Neurosis, Year of No Light e Nothing.

throe nas redes sociais:
instagram.com/throe.band
https://throeband.bandcamp.com

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *