O que é um personagem? Porque a literatura nos comove? O que nos motiva a prosseguir com a leitura de um romance?
Estas entre outras questões são respondidas pelo crítico inglês, James Wood, conhecido por seu trabalho na revista New Yorker.
No livro Como funciona a ficção de James Wood, faz uso de trechos de autores como Henry James, Nabokov, Virginia Woolf e Tchekhov para explicar o funcionamento de cada “engrenagem” de um romance.

1-Narração

Segundo James Wood, há dois tipos funcionais de narração. A narração não confiável (em primeira pessoa, sobre a ótica do narrador personagem) e a narração confiável (através da ótica onisciente do narrador em terceira pessoa). Dostoievski em memórias do subsolo, faz uso do narrador em primeira pessoa. Em contraponto, Tolstói e Flaubert utilizavam narradores na terceira pessoa.

2-Flâneur

Frédéric Flaubert é precursor do flâneur (ocioso) representado por um narrador com percepções de personagem, ao observar todos os detalhes possíveis de uma cena ou ambiente e descreve-los com minúcias. Em resumo, flâneur é o narrador responsável incursões que o autor não costuma fazer, detalhando o máximo possível as descrições.

3-Personagem

Este é o desafio de escrever qualquer história, criar a personagem é trabalho árduo, James Wood questiona, de que forma podemos dar vida a um retrato estático? A personagem está ligado ao funcionamento mental como também pode ser uma ligação essencial com uma vida anterior. Distinguir as personagens secundarias das principais através de sutilizas e profundidade, pode ser um bom caminho para trilhar-se.

4-Consciencia

James Wood cita o antigo testamento para mostrar situações que Davi teve que passar para aprender algumas lições com a vida e mesmo assim manter-se um personagem público. Em crime e castigo de Dostoievski, Raskólnikov iludido pela ideia de que matar a velha miserável, poderia ter sua moral elevada. Davi também tropeçou no desejo, ao avistar Betsabeia nua tomando banho, sentiu desejo incontrolável a ponto de mandar assassinar o marido de Betsabeia e assumi-la como amante e esposa. Entretanto, como Raskólnikov, tem que aceitar o castigo impelido pelo destino, a punição divina.

5-Diálogo

Na década de 50, Henry Green fez uma apresentação na BBC Radio Station, sobre diálogos. Green nos dá uma direção através deste exemplo:

“Quando você imagina que vão te pôr para fora?”

Olga, quando fez a pergunta ao marido, assumiu o ar de um animal ferido, os lábios se curvaram para baixo num esgar e o tom de voz usado traia todos aqueles anos que uma mulher pode ceder à serragem aos espelhos e ao cheiro viciado de cerveja e dos bares públicos.

Esperamos que estas dicas possam auxiliar na criação de crônicas, contos, novelas ou até mesmo um romance, leiam Como funciona a ficção de James Wood!!!

Categorias: Literatura

Diego Fernandes

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Duofox é escrito sob uma licença Creative Commons com Atribuição de Uso Não-Comercial.