Brune reflete crise ambiental brasileira no single e clipe “Lua Azul”

Brune sintetiza suas vivências enquanto um corpo híbrido, fluido, não-binário e latinoamericano em suas músicas. Seu primeiro single, “Lua Azul”, parte do pessoal para o coletivo, refletindo sobre a crise ambiental no Brasil de 2020 e a forte conexão entre a natureza e nossas vidas. A faixa já está disponível para streaming e o clipe, no YouTube.

Assista a “Lua Azul”: https://youtu.be/rhUo1i8ZTgc
Ouça “Lua Azul”: https://tratore.ffm.to/luaazul

Mesclando referências de poesia, dança e música, tudo se encontra em Brune. A letra é acompanhada de cordas, o ritmo movimenta os quadris, as marés e as rimas. A palavra como força motriz, condutora, se une com a música para expressar o processo de destruição da natureza, desde as florestas queimadas às águas poluídas e à seca. “Como uma nave a buscar os sobreviventes, paira no céu uma lua azul, signo de esperança. Uma luz a iluminar a noite”, resume Brune.

“Lua Azul” surgiu de uma busca por transformar poemas em música. Das queimadas na Amazônia, que chamaram atenção mundialmente em 2019, passando pelo fogo que consome o Pantanal em 2020, surgiram questionamentos diante da devastação. Em 2021, ela lançará um EP chamado “Ametista”, transformando esses conceitos em tons intimistas. Com produção de Leonardo Gumiero e participação dos músicos Bárbara Maciel (guitarra) e Tiago Barbosa (bateria), o EP contará com artistas convidados como Klüber e Mayah.

“O lançamento dessa música se dá em um momento politicamente conturbado, no qual diversas dificuldades aparecem, mas também a saída: arte, cultura. Curitiba, que é a cidade onde nos encontramos, vive uma crise hídrica, as represas estão quase vazias, situação que também buscamos documentar no clipe. Além disso, a nível nacional observa-se um enorme descaso com a população, que morre por Covid ou fome, além de um estado inteiro sem energia elétrica. Todos os dias alguma família negra chora de luto por algum parente. Semana passada, vi professores ficando mais de uma semana sem comer em greve e ninguém se importando com isso. Fica a pergunta, que mãe alimentará os sobreviventes?”, questiona Brune, citando a letra da música. 

Não por acaso, suas maiores influências mesclam artistas que dialogam com essas questões musicais e poéticas, de Luiza Lian, MC Tha, Luedji Luna e Ludmilla, passando pela oralidade presente nas obras de João Cabral de Melo Neto e Hilda Hilst. Brune se dedica à poesia, composição, performance e organização de encontros culturais – o Constelar Sarau Colaborativo e o Erótico Sarau.

A inspiração vem de sua vivência enquanto pessoa não-binária, mas também de experiências vividas por caminhos do Uruguai, Argentina, Bolívia, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Pernambuco, sempre como artista de rua. Percorrer o sertão e as estradas latinoamericanas serviram de autoconhecimento e bagagem para informar suas criações poéticas. 

No ano passado, Brune iniciou o selo Tripa de publicação independente, para a criação coletiva de fanzines e circulação de poesia independente LGBTQI+. Agora, se prepara para revelar seu trabalho com “Lua Azul”, já disponível para audição e como clipe.

Assista a “Lua Azul”: https://youtu.be/rhUo1i8ZTgc
Ouça “Lua Azul”: https://tratore.ffm.to/luaazul

Ficha técnica
Composição: Brune
Vocal: Brune
Backing vocal: Lídia Moura
Baixo/guitarra: Barbara Maciel
Bateria/percussão: Tiago Barbosa
Teclados, violão e percussão: Leonardo Gumiero
Preparação vocal: Kluber
Produção musical: Barbara Maciel
Gravação: Camcoom Studios e Gume Studio, Curitiba
Mixagem: Leonardo Gumiero
Masterização: Leonardo Gumiero

FICHA TÉCNICA Clipe
Gravação e edição: Ácida Produtora
Direção de arte: Lis Guedes e Juliana Janeiro
Roteiro: Brune e Lis Guedes
Performers: Brune, Mazi Moretto e Majo Farias
Figurino: Fernanda Bueno
Maquiagem: Marina Diniz
Cabelo: Hair cut of Brenda

Letra
Levita a poeira vermelha
Que veste o corpo-de-sal
A praia extensa não há de ser tão grande
Que não caiba na minha mão
O dorso dourado reflete o sol
Na água espelhos, cais
Mundo se desfaz
Ainda não se sabe que mãe
Alimentará os sobreviventes
Espera-se que venha alguém
E embale nossas noites de sono
Com antigas cantigas da serra
Espera-se que venha aquela lua azul
Pra contemplar o espaço
Sideral
Desarmando o corpo de metal
Que ora desperta e flutua.
Ainda não se sabe que mãe alimentará
Os sobreviventes

Acompanhe Brune:
https://www.instagram.com/brupoesia/
https://www.youtube.com/channel/UCmr8MmcEWSwZAa9OmA0ZsAw
https://www.facebook.com/brunarafaela.motta/
https://www.deezer.com/br/profile/4060758342
https://brunemotta.bandcamp.com/

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *