Caburé Canela promove encontro do digital com o analógico em segundo álbum

Caburé Canela, banda londrinense (PR), composta por Carolinaa Sanches (voz), Lucas Oliveira (voz, violões, violino e teclados), Maria Thomé (percussão e live electronics), Mariana Franco (contrabaixo), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (voz, guitarra, clarinete e pífano), lança uma série de materiais exclusivos junto ao segundo trabalho de estúdio de sua carreira, Cabeça de Cobre, que está disponível em todas as plataformas de streaming a partir de hoje (10).

O sexteto divulga também um mini-documentário sobre a gravação do disco – assista aqui – e na próxima sexta-feira (17), a partir das 20h, vão transmitir o show de lançamento do álbum pelo canal do grupo no Youtube.  Ouça aqui.

Gravado em processo totalmente analógico no ForestLab (Petrópolis/RJ), o disco tem a produção fonográfica do mineiro Lisciel Franco, conhecido por construir equipamentos e por realizar gravações em uma máquina de 24 canais da década de 80, processando e mixando exclusivamente na fita. Isso, inclusive, foi o que tornou possível percorrer a encruzilhada entre o sintético e o orgânico, proposta definida pela banda desde o início do projeto. Importante ressaltar que o álbum por si só indaga sobre a comunicação nos tempos modernos.

“Cabeças sem corpos, hiperconectadas, mas em isolamento maquínico-pandêmico. Pouca solitude vital e muita solidão viral? Excesso da informação e recesso da comunicação? Entre vírus e viralizações, afetos tristes que entram em simbiose com seus hospedeiros. Como transgredir as conexões compulsórias e as vinculações ilusórias?” São questionamentos que surgem no novo trabalho da Caburé Canela”, escreveu o jornalista Felipe Melhado em texto para o grupo.

Capa

O percurso proposto pelas canções e pelas técnicas de gravação utilizadas, também deixa rastro na arte gráfica do disco. Codificações e reproduções digitais se entrelaçam com processos gráficos analógicos imprevisíveis. Assim como as capas dos singles Fera e Claridade, a arte do álbum foi desenvolvida pelo designer Pablo Blanco e a artista visual Carolinaa Sanches, também vocalista e compositora da banda. “A arte parte de imagens digitais que retratam as cabeças por trás da Caburé Canela. Da norma ao novo, das certezas às sortes, das métricas às margens. Essas imagens dos integrantes são manipuladas e se tornam chapas de alumínio que, a partir daí, participam de processos gráficos artesanais e intensivos”, revela a cantora, que completa: “As capas dos vinis da Cabeça de Cobre serão produzidas individualmente nos ateliês do Grafatório, em uma edição limitada”.

O mini-doc “Bastidores – Cabeça de Cobre” 

Um mini-documentário compartilhando trechos do processo de gravação do disco acompanha o lançamento de Cabeça de Cobre e pode ser assistido aqui. Foram dez dias no estúdio ForestLab, na cidade de Petrópolis (RJ), registrados em vídeo pela fotógrafa Paula Viana. Além das imagens de bastidores, o doc traz também uma entrevista com Lisciel Franco sobre gravação analógica, impressões do processo com a Caburé Canela, e sobre os caminhos da música independente. A edição e montagem foi realizada por Lucas Oliveira, que também integra o elenco do sexteto. 

O show 

Diante da atual situação pandêmica, a banda decidiu celebrar o lançamento do novo disco em um show, que será transmitido pelo canal da banda no youtube, a partir da próxima sexta (17), às 20h – ative lembrete aqui. As dez canções presentes no álbum estão no repertório da apresentação, além de duas versões de faixas do disco anterior, Cabra Cega

“Para transformar em cena a história sonora do álbum, contamos com os figurinos confeccionados exclusivamente pela estilista Bianca Baggio – elaborados a partir de recortes e costuras de tecidos e adereços reaproveitados – e com a iluminação cênica de Everton Bonfim, colorindo a sala preta de espetáculos do SESC Cadeião (Londrina-PR). O cenário foi concebido por Maria Thomé e Paulo Moraes, fazendo um amálgama da matéria sintetizada dos fios de cobre, com a matéria orgânica de flores secas. O registro de vídeo ficou por conta de Stephanie Massarelli e Leon Gregório, que também assina a edição do material. O som foi captado, mixado e masterizado por Gabriel Kruczeveski, do estúdio Toqô. As fotos de divulgação do disco e do show são de Natalia Lima Castro”, pontua Pedro José.

Faixa a faixa

O pontapé inicial do disco é Claridade. O segundo single deste trabalho, que ganhou videoclipe, foi escrito pela vocalista Carolinaa. A inspiração da faixa partiu de uma foto registrada em Superagui, em 2015, e traz à tona sentimentos da época relatada: “É tão trabalhoso acessar nossos desejos, dar voz a eles, escutá-los. Essa música é uma viagem do corpo enquanto nosso espaço mais próximo, é a busca por ser só, mesmo que torta aos olhos de uns; é naufragar em si. E quando a gente se percebe é mais fácil perceber os outros também”, comenta a autora.

Não sei teclar aborda ironicamente a insuficiência das conexões virtuais, em descompasso com a expressão vital coletiva dos corpos. O tema é narrado pelo swing das guitarras que se entrelaçam com slaps de baixo, evidenciando a conversa da cozinha.

A impotência e a resistência diante da grandiosidade da máquina que oprime é o tema discorrido na música Lixo Espacial, que logo nos primeiros segundos de canção, entrega sua influência regida pelo jazz.

Notas de guitarras e percussões orquestradas com as melodias vocais de Carolinaa abrem a quarta faixa, Quantos Ais, que traz o ímpeto onírico de se atirar ao mundo e fundir-se à natureza.

Fera, escolhida como o single de estreia do álbum, dá voz ao grito possível e inevitável no enfrentamento coletivo ao monstro do sistema que caça a todos. A música veio ao mundo com um videoclipe, dirigido por Fagner Bruno de Souza, e faz uma conexão direta com a mensagem da música, induzindo à reflexão sobre os dias de luta normalizados na sociedade, como uma forma natural de sobrevivência.

“No clipe, essa guerra se vê refletida nos rostos das pessoas comuns: caras reais de um país que não pode parar, senão morre de fome. Trabalhadorxs arriscam suas vidas girando a engrenagem que os esmaga. Máquinas não param de dilacerar a terra. Prédios não param de crescer, nos engolir e nos expulsar”, completa Pedro José.

Mantra Caosmico, “é uma canção na qual poeticamente se perde a definição do eu e do outro, do macro e do micro, e sonoramente, se perde a definição de tonalidade, ritmo e textura, as diferenças entre os instrumentos se borram numa paisagem ruidística onde tudo se dissolve”, diz Pedro José. A faixa começa com instrumentos eletrônicos, e termina com instrumentos acústicos, fazendo a transição entre o universo sonoro do LADO A para o LADO B do álbum, que pretende ter versão em vinil.

Dicionário deixa claro o início de uma nova parte do disco ao trazer um funk-ijexá que ironiza o entendimento acadêmico desconectado da vida e do poder concreto dos símbolos. 

Na sequência vem à faixa Viril, que carrega um tom de tropicália, fazendo um convite para o ouvinte mexer o corpo, e ser teletransportado para uma pista de dança de festas brasileiras dos anos 60. “A música carrega uma mensagem de liberdade, de encaramento e quebra de padrões, culminando em um encontro semelhante aos festejos da cultura popular, que evocam forças e ensinamentos ancestrais para dar conta do hoje”, comenta Carolinaa Sanches

Dedilhados tão suaves, quanto às vozes de Carolinaa e Pedro, anunciam a canção Epifania. Influenciados pelo samba, “a música traz de volta à vida um corpo perdido no mar que, presenteado pela recordação do fim, pode integrar-se mais intensamente ao mundo do qual é parte”, descreve o guitarrista. 

“Esse mundo que aglutina tudo que conhecemos e desconhecemos é representado na insignificância e beleza de um minúsculo ponto reluzindo no universo, na décima canção que encerra o disco, Ponto Pálido”, resume Pedro José.

OUÇA O ÁLBUM AQUI

FICHA TÉCNICA 

Álbum

Produção: Caburé Canela 
Letras: Carolinaa Sanches, Lucas Oliveira, Pedro José 
Arranjo e execução: Caburé Canela 
Gravação, mixagem e masterização: Lisciel Franco, ForestLab 
Arte Gráfica: Carolinaa Sanches e Pablo Blanco 
Textos de divulgação: Felipe Melhado, Pedro José, Maria Carolina Thomé, Carolinaa Sanches
Mini-Doc
Câmera: Paula Viana 
Edição e montagem: Lucas Oliveira 
Entrevistado: Lisciel Franco
Show
Câmeras: Leon Gregório, Stephanie Massareli 
Edição e montagem: Leon Gregório 
Gravação e Mixagem: Gabriel Kruczeveski 
Iluminação: Everton Bonfim 
Figurino: Bianca Baggio 
Cenário: Maria Thomé, Paulo Moraes e Everton Bonfim
Fotografia: Natalia Lima Castro 
Local: SESC Cadeião (Londrina-PR) Técnico: Altair Borracha

 

 

SOBRE CABURÉ CANELA 

Formada em 2013, a banda natural de Londrina (PR), Caburé Canela, conta com Carolinaa Sanches (voz), Lucas Oliveira (voz, violões, violino e teclados), Maria Thomé (percussão e live electronics), Mariana Franco (contrabaixo), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (voz, guitarra, clarinete e pífano).

A banda se destaca por criar um sotaque singular, navegando por um rio de múltiplas raízes que afluem de seus integrantes. Essas raízes são banhadas pelos cantos populares do Brasil, pelas influências do universo pop, da música negra mundial, do campo das experimentações sonoras, e desaguam na atual cena criativa que se compartilha na cidade de Londrina, também chamada de igapó-beat, rio de raízes. 

Em 2018 a banda lançou seu primeiro álbum, Cabra Cega, gravado e mixado por Alexandre Bressan. O disco marcou o amadurecimento não só musical, como também administrativo e funcional do grupo, que foi se apropriando do fazer artístico, desde a produção de shows, até das capas e do contexto visual de toda concepção artística. No mesmo ano a banda lançou seu primeiro videoclipe com a canção Sem, produzido e dirigido por Leon Gregório. 

Um projeto de Circulação do PROMIC (Programa Municipal de Incentivo à Cultura de Londrina) contemplou a banda pela primeira vez, no final de 2018. Foram dezoito shows realizados, entre os meses de novembro e janeiro de 2019, apresentados em treze cidades dos três estados do sul do Brasil e São Paulo. Desta primeira turnê interestadual, foi realizado um mini-documentário, editado por Caruh Spisla, e lançado em novembro de 2019. 

Em maio de 2020, a banda lançou o clipe da faixa Oceano, produzido pela artista galega Judith Adataberna. O segundo álbum, Cabeça de Cobre, foi captado e mixado de forma totalmente analógica, no final de 2020, no ForestLab em Petrópolis – RJ, por Lisciel Franco. A produção contou com patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC) de Londrina. O disco com dez faixas poderá ser ouvido em todas as plataformas digitais a partir do dia 10 de setembro de 2021.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Tolstói, Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.