Crônicas de um professor alucinado. Home office do desespero

A manhã chega e com ela a onda de mensagens no aplicativo cor de suco detox. Desespero e emoticons alucinados para acessar plataformas e se engajar nos estudos.

A ansiedade é tamanha que não se pode mais distinguir o que é erro do sistema ou o que é falta de internet. É incrível como a dependência de sistemas nos torna reféns de algo invisível.

Algo que nos leva para onde queremos e para onde não queremos mesmo sem saber de fato como tudo funciona. Não é possível compreender e assimilar tudo o que acontece por trás das telas. O ensino está mudando, mas a falha nos sistemas digitais continua matando todo mundo.

Quem tem recursos, quem não tem. E assim corre mais uma semana comum na vida de qualquer professor, que nos últimos 11 meses, tem passado a vida enquadrando a bunda numa cadeira e tentando salvar o país com um celular na mão.

Crônicas de um professor alucinado. Enem, prova do Capiroto

Crônicas de um professor alucinado. Selfie Generation

Crônicas de um professor alucinado. Nordeste pra que?

 

Felipe Terra Escrito por:

Professor e amante da arte literária, atua na área da educação desde 2011. Viciado na música de Bach, Mozart e Chet Baker, e na literatura de Raymond Chandler, Ross Macdonald e Paul Auster. Ama escrever e acredita que poderia ler mais, porém, precisa dormir, infelizmente. Consegue passar horas jogando pôquer ou xadrez com os amigos. Degustar pizzas de queijo e bacon é um dos passatempos prediletos em horas de fome extrema.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *