Dinheiro não tem semente

As coisas não estarão como antes. Quem não se via vai correr para receber um abraço. A falsidade talvez dê lugar ao mais sincero sentimento de amizade verdadeira.

Risos e mais risos em meio aos brindes suprimidos por algo invisível. Crenças postas a prova e nada de rivalidades por trás dos santos no altar.

Os dias amanhecerão valendo mais a pena. E as noites? Bem, elas servirão para curtir como nunca e para agradecermos por estarmos vivos. Ninguém poderá dizer que não passou por dias difíceis e que não sentiu medo.

Medo de não acordar ou medo de não ter a segunda chance que sempre achamos que teremos quando destratamos o próximo. A música que se ouvirá não vai mais incomodar, por incrível que pareça.

Deixaremos rolar as coisas, pois nos momentos mais duros e solitários, cada um pensou, dentro de si, que a lição será aprendida e que os erros não se repetirão. Nunca mais deixaremos de laçar o pescoço do cachorro para dar um passeio ao cair ou despertar do sol.

Não deixaremos também de apertar a mão das crianças e levá-las ao parque ou para os lugares favoritos delas. Muito mais lazer do que prazer. Dinheiro não tem semente e vidas são colhidas, mais cedo ou mais tarde o ceifador aparece, silencioso ou com alarde. Resta saber se estaremos prontos para a última viagem.

Foto destaque de Leo Cardelli
Felipe Terra Escrito por:

Professor e amante da arte literária, atua na área da educação desde 2011. Viciado na música de Bach, Mozart e Chet Baker, e na literatura de Raymond Chandler, Ross Macdonald e Paul Auster. Ama escrever e acredita que poderia ler mais, porém, precisa dormir, infelizmente. Consegue passar horas jogando pôquer ou xadrez com os amigos. Degustar pizzas de queijo e bacon é um dos passatempos prediletos em horas de fome extrema.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *