Diretamente de Berlim, Komodo Fox Lancará EP de estreia “Year Zero” 21/05

2020 significou o fim da vida como a conhecíamos. Estamos de volta à estaca zero ou vamos aprender com nossos erros?

O projeto atual da Komodo Fox, a promoção de seu EP Year Zero de estreia, os manterá ocupados com a expansão de sua abordagem DIY para territórios inexplorados. Originalmente planejado para um lançamento em 2020, as cinco canções abordam temas universais, como lidar com o passado, enfrentar nossos medos e aceitar mudanças. E com um ano tumultuado para todos os que vivem no planeta Terra, parecia apropriado esperar até o início de um novo ano para compartilhar sua mensagem.

Com um som energético e um tanto dark, o objetivo da banda é convidar o público a uma jornada de autorreflexão. “Somos apenas dois caras normais que realmente amam música. Nossa maneira de tentar causar impacto no mundo é entreter as pessoas enquanto conversamos sobre assuntos que nos interessam: humanidade, ciência, sociedade, política; o passado, o futuro e o presente. ” diz Caio (vocal principal, guitarra, baixo.

Iniciado em 2018 como um projeto solo, Komodo Fox se tornou um “trio de rock de duas cabeças” no início de 2019, quando Caio, um brasileiro que viveu em Berlim por 6 anos, conheceu Philipp ( bateria, teclas e backing vocals), um alemão que acabara de voltar para seu país de origem. Os dois se encaixaram instantaneamente, não apenas por causa de uma linguagem musical compartilhada, mas principalmente por ver a música como uma forma de se comunicar e se conectar com outras pessoas.

Year Zero será lançado no dia 21 de maio e será precedido por 3 lançamentos de single a partir de janeiro de 2021

spotify: https://spoti.fi/2xHN9tJ
youtube: https://www.youtube.com/c/KomodoFox
bandcamp: https://komodofox.bandcamp.com/
instagram: https://www.instagram.com/komodofox/
facebook: https://www.facebook.com/komodofox/

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *