Enquanto Agonizo de William Faulkner há mais de 80 anos perturbando gerações

Calma lá… não é bem isto o que o título quer dizer. Enquanto Agonizo de William Faulkner, tem uma história tão intensa e dramática que perturba qualquer ser humano com um pouco de consciência e bom senso.

William Faulkner foi um dos expoentes na recriação de cenários decadentes no sul dos Estados Unidos, mostrando tanto as batalhas diárias, quanto o lado mais negro e mesquinho de pessoas reais que habitam lugares insólitos, distantes do resto do mundo.

O poderio bélico de William Faulkner é devastador, mesmo através da polifonia dos personagens, ele consegue levar o leitor até a última página com maestria.Numa intensidade, capaz de impossibilitar o abandono de qualquer um de seus livros.

William Faulkner

Mas deixando a conversa de lado, Enquanto Agonizo segundo Harold Bloom tem um dos melhores começos:

De todos os romances americanos do século XX, o que tem o começo mais brilhante é Enquanto Agonizo… o começo pressagia a originalidade do livro que mais surpreende de seu autor.(Harold Bloom)

Enquanto Agonizo de William Faulkner, foi publicado em 1930, se passa no sul dos Estados Unidos e narra a “Epopeia dos Bundren”, uma família desestruturada e paupérrima, que percorre um longo percurso para enterrar a Matriarca da família, Addie Bundren.

Cada um com suas respectivas deformações psicológicas e patológicas, tentam a todo custo realizar o ultimo pedido de Addie Bundren, ser enterrada em Jefferson, sua terra natal, ao lado dos seus parentes. Anse, o marido, leva os filhos Jewel, Darl, Cash, Dewey Dell e Vardaman nesta empreitada complexa e repleta de desavenças, por inúmeros motivos banais.

Com um final incrível, de deixar com o queixo caído, este pequeno grande romance, com cara de novela, vale cada página.Os capítulos são divididos, por cada personagem e suas respectivas visões a respeito desta viagem, que mudará o rumo da vida de toda a família.

“Minha mãe é um peixe”.(p.75) VARDAMAN.

Vale lembrar que a história não é linear, como som e fúria, é uma leitura dura.Mas que ao terminar vale a pena.Fica a dica, leiam Enquanto Agonizo de William Faulkner.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *