Ética e vergonha na cara! – Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho

Se vocês acham que entendem um pouco sobre ética, além de outros conceitos morais, tais como, escolhas sem valores, corrupção, política vergonhosa entre outros, chegou a hora de ler Ética e vergonha na cara! De Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho.

Debate fluído, que mais parece uma conversa de amigos, consegue cativar nas primeiras páginas com a história do corredor espanhol Ivan Fernandez que avisou o corredor queniano Abel Mutai que havia parado antes da linha de chegada. Embora imaginasse que havia vencido, Ivan decidiu empurrar o queniano até a linha de chegada, Ivan indagado por inúmeros jornalistas. Responde ao Jornal El País:

“Eu não merecia vencer. Eu fiz o que tinha que ser feito. Ele era o real vencedor da prova, liderava com folga e eu não tinha condições de vencer. Ele (Abel Mutai) cometeu um erro e, assim que vi isso, eu sabia que não poderia me aproveitar da situação”.

O que para muitos parece ser loucura, para Ivan Fernandez, faz parte de sua bagagem, embora seu técnico tenha o advertido com veemência.

Clóvis de Barros Filho faz um adendo em relação ao poder de escolha das pessoas, de que forma as pessoas se isentam de escolher, porque escolher é tarefa árdua, até para os sábios:

“Que tipo de literatura realmente vende numa livraria? ‘Dez lições para isso’, ‘Dez lições para aquilo’, ‘Como eliminar seu chefe’, ‘Como passar a perna no seu adversário’, ‘Como dar prazer na cama’, ‘Como não sei o quê’.

Por que livros assim vendem muito? Pois queremos, de certa maneira, tirar de nós, a necessidade de ter que escolher a cada momento – porque as escolhas são difíceis.

“Escolher é um abacaxi (…). Então o que indivíduo faz? Compra uma vida: ‘Os 7 hábitos das pessoas felizes’ (…) E deverá surgir ‘o oitavo hábito’, porque os sete primeiros claudicaram. Ora, e por que isso vende tanto? Porque o indivíduo prefere uma solução pronta a outra que ele tenha que buscar” (pág. 65)

Sobre o meio como o transgressor da ética, mas que no final das contas ainda é possível dizer não e sair do lugar comum:

O que os indivíduos são, portanto, depende das condições materiais de sua produção” (MARX; ENGELS, 1999, p. 28)

Clóvis ratifica a ideia de que se pode fugir do pensamento de Marx, lutando contra o meio em que se vive, embora a batalha seja árdua, a vitória será excepcional para o vencedor.

Cortella continua sobre a questão do sistema em nossas vidas:

“No que diz respeito ao sistema, por exemplo, não é porque a instituição matrimonial vive um momento de crise em nossa sociedade, que o mesmo tem que acontecer com o meu casamento; ou seja, não é uma obrigatoriedade, não é um imperativo”.  (pág.66)

Mas Cortella ainda afirma, que o sistema pode haver falhas e que a corrupção, mesmo que em uma instituição matrimonial, pode ser corrompida. Como todos nós estamos propensos a subverter a ética, subornando, mentindo, aliciando, enganando e puxando o tapete das pessoas. Fica a dica, leiam a Ética e vergonha na cara de Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *