Introspecção mântrica em novo single da ANDALUZ

Som e silêncio, como um mantra, como a vida, assim é o single “Antídoto”, da ANDALUZ. A canção antecipa as características da essência do álbum de estreia, “Casa Suspensa”, que será lançado no próximo ano. A faixa é mântrica, reflexiva, intensa e traz a adição da conga, caxixi e djembe, que conversam com o baixo, guitarra, bateria e efeitos. Este é um lançamento do selo Alcalina Records e já está disponível nas principais plataformas de streaming.

De acordo com Eduardo Arrj, a “Antídoto” carrega a nuance de um processo de cura no organismo da banda. 

“A composição nasceu a partir da linha firme e constante do baixo, e logo foi complementada pelas guitarras do Agê. Gravamos algumas opções de bateria com o Chico Leibholz (Fluhe, Neptunea) antes de gravar a versão definitiva. O Alan Gonçalves (Pedra Branca) gravou a percussão comigo e com o Agê de maneira independente. Todos nós compartilhamos sentimentos parecidos acerca dessa faixa e do momento em que estávamos”, explica o músico.

O single costuma abrir os sets da ANDALUZ em apresentações ao vivo e é uma das prediletas de Agê.

“Sinto que ela comunica de forma bem explícita a sua mensagem. Vou compartilhar como eu ouço essa música. Com cordas e tambores, “Antídoto” descreve sonoramente um processo de renascimento. Não no sentido literal, divino mas alegórico, uma reinvenção pessoal. As frases da guitarra estão todas em contratempo nos primeiros compassos da música e retratam a euforia de novos ares, algo novo que começou. O único sample que usamos foi o da tigela tibetana, que além de reforçar o cenário reflexivo da música, traz essa linguagem eletrônica de colagem que estará presente nas próximas músicas.”, analisa.

A peculiar foto da capa do single foi registrada por Agê, enquanto realizava, junto de Eduardo, trilha de bike na beira da represa Billings, em São Paulo. A fotografia foi criada de forma analógica, em uma câmera Yashica, utilizando-se da técnica Redscale durante o processo.

A ANDALUZ é formada por Agê (Fluhe, Neptunea) e Eduardo Arrj (Vuase), ambos co-fundadores do selo Alcalina Records. As canções do duo são, na maioria, instrumentais e minimalistas, com influência da música brasileira, latinoamericana e da escola de boombap dos anos 90. O single Antídoto sucede o lançamento das canções “Tal Qual”, “Chás e Especiarias”, “Sob o Céu Todo Estrelado” e “Na Estranha Ordem Geométrica de Tudo”. As músicas farão parte do disco de estreia, Casa Suspensa, que tem previsão de lançamento para 2021.

O single “Antídoto” foi gravado no estúdio Veredas e em home studios da banda. Fazem parte da ficha técnica os músicos Eduardo Arrj (baixo, efeitos e ambiência), Agê (guitarras), Chico Leibholz (bateria) e Alan Gonçalves (congas, caxixi e djembe). A mixagem e masterização são de Eduardo Arrj, já a capa é de Agê. A música é um lançamento Alcalina Records, selo que conta no casting com nomes como Antiprisma, Fluhe, Bumbo Caixa, entre outros.

Ouça Antídoto: https://tratore.ffm.to/andaluz-antidoto
Ouça Antídoto no YouTube: https://youtu.be/sTCnLpzQ7hs

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *