Lançamento do clipe MNTH – berço (psilosamples remix)

“Uma mistura efervescente de dub techno, jazz, percussão afro-brasileira e punk, estourando do underground de São Paulo” – Music Is My Sanctuary

Guitarras trituradas, percussão afro-brasileira e improvisação em espiral colidem no álbum homônimo do produtor / criador de São Paulo MNTH, que foi lançado em fita cassete e plataformas de streaming em abril no Mais Um.

Apresentando o compositor / baterista metamorfo M.Takara (Pharoah Sanders, Damo Suzuki), o engenheiro indicado ao Grammy, Fernando Sanches e co-produzido por Psilosamples (apresentado nas compilações Daora e Rolê de Mais Um), MNTH, cujo nome verdadeiro é Luciano Valério, apresenta um casmático 30 minutos de ida e volta do underground musical divergente e inquieto de São Paulo.

“Eu coloco mais de mim neste álbum. Queria que soasse como algo novo ”- Luciano Valério, MNTH

Canalizando o design de sintetizador no estilo Four Tet, pulsações granuladas de Rhythm & Sound e polirritmos afro-caribenhos, o mais recente MNTH completo de Valério é algorítmico e expressivo. Um binário digital / humano que um fã do Bandcamp descreveu melhor como “como as máquinas soariam se evoluíssem nas florestas”.

O esquelético pop malinês, abertura liderada por Kalimba e o dub crunch atmosférico difuso de Tamanduateí e Habitante atestam a amplitude das interseções sônicas que Valério revela e esconde em breves explosões no MNTH. O tempo que Valério passou nos círculos punk e hardcore de São Paulo dos anos 90 se infiltra na terceira faixa Trapaceiro, enquanto seu fascínio por sons cíclicos baseados em loop é revelado em faixas como Sábio Sapo ou o techno-infundido e cumbia bounce de Afoshot.

“Bandas de hardcore / punk como Fugazi e Lungfish tiveram uma grande influência em mim. Eles têm essa qualidade hipnótica de transe em sua música. O techno me leva para o mesmo lugar. Eu sinto que no MNTH há muitos elementos diferentes no álbum, mas tudo se resume a essa sensação de um ciclo. É rítmico. Vamos por um caminho e depois voltamos. Eu realmente gosto dessa sensação. ”

Como co-fundador de uma influente gravadora, Desmonta, MNTH, (pronuncia-se Mantega – português para “manteiga”), tem sido uma figura central na cena underground brasileira na melhor parte das duas décadas. Inicialmente preparados para lançar o álbum Conta de Takara, em 2007, Desmonta e Valério logo assinaram álbuns seminais do trio Candomblê-punk desconstrutivo Metá Metá e fornecem um lar regular para a produção frequente e variada de Takara ao longo dos anos, bem como a sua própria. incluindo o projeto de estreia de Valério, um split cassette com o Tildaflipers em 2015 e seu trabalho com o guitarrista Marco Nalesso como Nalesca Mantega.

Nascido e criado no Cecap, bairro a 30 minutos a nordeste do centro de São Paulo, localizado na região de Guaralhos, Valério cresceu do outro lado da estrada do apocalíptico samba violão ogã Kiko Dinucci, cujos dinâmicos primeiro e terceiro LPs foram lançados por Valério em Desmonta. “Nós dois gostávamos de skate, metal e punk. Kiko foi o cara que colocou o violão na minha mão. Ele me ensinou. Em seguida, disse “venha tocar uma segunda guitarra na minha banda”.

Tendo gravado a maioria das faixas em 2014-15, Valério engavetou o álbum, decidindo apenas revisitar as gravações durante a pandemia. Para esta edição, Mais Um apresenta três faixas bônus adicionais, incluindo dois remixes inéditos de Psilosamples e da gravadora Desmonta, Dandrea.

 
Para escutar no Spotify:
 
Para comprar a fita cassete:
 
Siga no Instagram:

Video Credits: Drawings by Marcelo Delamanha and Eduardo Vaz
Animated by Marcelo Delamanha
https://www.instagram.com/marcelodela
https://www.instagram.com/eduardomvaz/

 

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Tolstói, Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.