Locomotiva Sessions apresenta a banda brasileira-argentina Mandale Mecha

 

O Locomotiva Sessions deste mês traz a banda brasileiro-argentina Mandale Mecha, que entrega uma proposta musical diversa e inovadora, com letras em português, espanhol e inglês, influenciados pela tropical new wave, pop latino, música eletrônica, jazz, psicodelia, hip hop e cultura rock.

Esta, assim como todas as sessions produzidas pela Locomotiva, foi gravada no Lab Sound, em Piracicaba, um dos mais modernos e completos estúdios de gravação do interior de Paulo.

Assista aqui:

As músicas da session chegam no streaming na próxima semana.

A banda, formada por músicos atuantes na cena brasileira há mais de 10 anos, como Michu Mendez (Petit Mort, Muñoz, Menage), Chico Abreu (Skrotes, Los Desterros, Carolino), Juliano Parreira e Gustavo Koshikumo (ambos do ATR, AQUAmono e Deep Leaks) gravaram duas músicas nesta session: ‘Dia de Suerte’ e ‘Rainfalls’.

‘Rainfalls’ foi o primeiro single do recém-lançado disco novo Maracuyá – Azedo. Já ‘Dia de Suerte’ saiu em 2021, numa série de singles de pandemia.

O Gustavo falou sobre a experiência no Lab Sound que transformou neste Locomotiva Session:

“O estúdio é incrível, com uma estrutura de altíssimo nível e o pessoal todo é muito profissional. Além disso ficamos hospedados lá mesmo no estúdio, que ainda conta com um ‘hotelzinho’ muito chique!”

O guitarrista comentou também sobre as escolhas.

“Rainfalls é um som com uma vibe mais latina e um final apoteótico, com participações de dois saxofonistas que somaram demais na música: Éder Araújo e Mauro Fontoura. Já ‘Dia de Suerte’ é uma das nossas músicas mais tocadas nas plataformas de streaming e tem um clima mais trip-hop e chill-out’.

Ficha técnica:

Produção – Carlos Casagrande
Câmeras – Lays Milanello e Luciano Benetton
Motions Graphics e finalização – Bernardes Toledo
Gravado, mixado e masterizado, por Max Matta, no Estúdio LAB Sound

Fotos de divulgação de Renan Casarin (crédito obrigatório)

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Tolstói, Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.