Os tempos são outros

 

Os tempos são outros. Isso é fácil de escutar por onde vamos. Realmente faz sentido. Os tempos são outros e dos outros. Tudo o que fazemos diariamente é nivelado e comparado. Uma foto aqui outra ali e a autocrítica surge rápida como um gato atrás da presa.

As pessoas estão cada vez mais sem tempo para reuniões que não geram lucro. Viver numa bolha parece a única forma de não cair no limbo dos cartões e boletos que nos consomem dia após dia, e sucumbir a uma avalanche de risadas e curtidas que deixam todos felizes menos nós mesmos nos leva a crer que essa será nossa sina.

Os tempos são outros. Não temos mais tempo para passear com o cachorro na praça sem músicas grotescas que nos ofendem sem pedir desculpa. Uma pizza com os amigos ficou ainda mais rara. Não há tempo para prazeres que nutrem a alma, só para os que deterioram nossas mentes, corpos e trituram nossa conta bancária. Em meio a tudo isso parece haver uma maravilhosa solução que parece estender-nos a mão. Desligar o smartphone e olhar para a última foto que tiramos com alguém que realmente merecia uma foto.

Quando escuto a frase, os tempos são outros, fico triste, volto para casa cabisbaixo por saber que os tempos são outros, e que outros tempos virão, e outros, todos prontos para sugar o que resta de vida em nossos corpos cada vez mais ansiosos por ocupar um lugar diferente. Diferente daquele lugar que ocupa o vizinho, ou o amigo do nosso primo, que acabou de postar mais uma foto alegre no instagram e que já tem mais curtidas do que conseguiremos no ano todo, talvez numa vida toda. Os tempos são outros. E como os Engenheiros do Hawaii dizem numa música, os tempos são outros, os erros, os mesmos.

Felipe Terra Escrito por:

Professor e amante da arte literária, atua na área da educação desde 2011. Viciado na música de Bach, Mozart e Chet Baker, e na literatura de Raymond Chandler, Ross Macdonald e Paul Auster. Ama escrever e acredita que poderia ler mais, porém, precisa dormir, infelizmente. Consegue passar horas jogando pôquer ou xadrez com os amigos. Degustar pizzas de queijo e bacon é um dos passatempos prediletos em horas de fome extrema.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *