Raro Zine Fest – Sarcofagos Blues Duo, Facka, Churumi e Crasso Sinestésico

Domingo 24/01/16, tarde chuvosa, até poste caiu nas proximidades. Literalmente, só não caiu na cabeça de alguém, pois haviam os fios tensionados. Caso contrário, seria um bom dia, para passar desta para melhor. Mas como nem tudo é tristeza, neste domingão do Faustão, rolou o primeiro Raro Zine Fest em BJP, o festival aconteceu no Zebra Lanches.

Apesar de algumas intempéries, o tempo colaborou. Quem abre o festival é um duo que já foi da casa, mas agora é de Bragança Paulista. O Crasso Sinestésico, com uma vibe positiva e cozinhando com mais garra, mostra uma nova sonoridade, influenciada por guitar bands dos anos 90 e Punk Rock. Fechou com cover das Mercenárias, uma canção chamada Me perco neste tempo, composição do Edgar Scandurra, que dispensa apresentações.

crasso-sinestesico
Por German Martinez [Rarozine]

Na sequência, os radioativos, inenarráveis, do Churumi, fizeram com que o liquido danoso e de alta toxidade, invadisse as narinas de todos que ali estavam. Tirando os clássicos do disco lançado no ano passado, canções novas e direito a cover G.E.D.N (Leptospirose) e Ace of Spades (Motorhead). O duo mais bonito da cidade, não tenham dúvidas.

churumi


Sarcofagos Blues Duo, blues bonito direto da Argentina, sonoridade mágica. Para amantes de Sea Sick Steve, Chucrobillyman, Luis Tissot, Doo Rag e Left Lane Cruiser.Lance bonito.

sarcofagos-blues-duo

Fechando o festival, O Facka, encabeçado por Matias Pícon (Animal Cracker, Sonora Scotch) na guitarra, Luis Tissot nas baquetas e Rafael no sax. Experimentalismo, Garage e um som aquático, com texturas animalescas. Botijão de gás, pedaço de zinco, para fazer música não precisa de muito, apenas de criatividade, fica dica, para os chorões

“não tem nada para fazer na minha cidade”.

facka

Agradecimentos ao Raro Zine, German Martinez, Daniel Caribé, as bandas e amigos.
Grande Raro Zine Fest, aguardamos os próximos.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *