Street Fighter Tour – The world championship

Piracaia Sunrise

Sábado 05/03/16, dia ensolarado, que somado a beleza da praça do Rosário (Piracaia), prometia um grande show que abriria a Street Fighter Tour. Até a polícia barrar o show por ordem superiores, a solução veio de outra forma através do Matheus e do Yago (Peixes Fritos, Public Death).

public death headbanger

O show foi realizado na casa do Yago e fomos recebidos por sua família muitíssimo bem.
Com um quintal com uma vista invejável, dava-se início a Street Fighter Tour. A abertura ficou para Public Death, banda de covers de Piracaia, que executaram versões dos Mamonas Assassinas, Legião Urbana, Rappa etc.Public Death

Na sequência, os perdoenses do Albatroz fizeram a passagem de som, para que o Churumi inundasse o recinto com seu carisma e sarcasmo. Com seu Punk/HC radioativo, expeliu o gás do riso e todos se divertiram à beça, com as canções Dona Maria, Jaime já vai, Black Emo Metal e mais outras 2 canções novas. Diegão e Bode Macabro, a dupla dinâmica que faz escola do DIY.

churumi

Churumi


Sorry for All, os garotos de Socorro, são disparados uma das melhores bandas de punk 77 da região, carisma, empatia do Marcelinho, Lucas e Hiro destruindo na bateria, dispensam comentários. A apresentação repleta de energia, com direito a cover da R.A.M.O.N.E.S.

Sorry for all

Sorry For All

Fechando a noite incrível, Peixes Fritos, que abriu com Something in the way do Nirvana, na sequencia soltando um punk melódico de mão cheia, ainda com direito a Noite do Dead Fish, os donos da casa mandaram muito bem.

peixes fritos


Agradecimentos a família do Yago, Matheus (Peixes Fritos, Public Death) e Beatriz Martins pela recepção e por serem mestres de cerimônia excepcionais, nos sentimos em casa, o evento foi incrível. Já estamos com saudades de Piracaia.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *