A guitarra flamejante de Guilherme Held! Ouça “Corpo Nós”!

Após extensa carreira discográfica colaborando com alguns dos principais nomes da música brasileira contemporânea, o guitarrista, compositor e produtor paulista Guilherme Held, se consolida como um dos principais artistas de sua geração. Prova de sua importância, são as dezenas de participações presentes em “Corpo Nós”, seu primeiro álbum (ouça no seu streaming favorito), que compõem um poderoso retrato da música produzida neste século por artistas que vem renovando a canção brasileira ao longo das últimas décadas. Nomes como Criolo, Tulipa Ruiz, Juçara Marçal, Mariana Aydar, Filipe Catto, Curumin, Fernando Catatau , Kiko Dinucci, Iara Rennó, entre muitos outros, que estão presentes no primeiro álbum de Held como compositor, retribuem a inestimável contribuição dele em seus trabalhos autorais.

Álbuns já consagrados como “Convoque Seu Buda” (Criolo), Milton Nascimento e Criolo (2020), “Besta Fera” (Jards Macale), “Bahia Fantastica”(Rodrigo Campos), DVD Criolo e Emicida e “No Chão Sem o Chão”(Romulo Froes) tem a participação e assinatura do artista como guitarrista. Em parceria com BiD (Afrociberdelia, Chico Science) produziu e tocou guitarra na serie Milton e o Clube da Esquina. Além disso, tem colaborações internacionais com nomes como Mulatu Astatke, Tony Allen e Ibrain Ferrer Jr.(Buena Vista Social Clube), entre outros em uma lista sem fim!

Em seu disco de estreia, lançado pela YB Music, Gui Held ultrapassou toda a expectativa de um trabalho solo de guitarrista. “Corpo Nós” é maduro, maturado, fruto do trabalho de uma vida, o que pode ser comprovado nas 17 faixas, mais de uma hora de música e mais de um ano de trabalho de garimpo, gravação e produção do álbum. O autoproduzido álbum recebeu a direção artística do músico e compositor Rômulo Fróes (Passo Torto, Clube da Encruza) e reuniu músicos amigos que mergulharam no projeto de coração aberto.

Embora “Corpo Nós” seja o disco de um guitarrista, com o instrumento presente em todas as músicas, não há espaço para exageros e nem amarras sonoras. Entre os destaques, temos a segunda faixa, na qual Held dispara um dos grandes petardos do álbum, “Pólvora”, com sonoridade explosiva,  a canção foi composta pelo artista com Tulipa Ruiz.

Em “Sorongo” , faixa assinada exclusivamente pelo Held, um instrumental dançante com influência da música africana, que recebeu um arranjo criado especialmente pelo baiano Letieres Leite, criador da Orquestra Rumpilezz. E o tema instrumental “Pingo D’água”, tocado por Lanny Gordin e Gui Held. Artista com quem o trabalho do Held se confunde, em uma admiração mutua e identificação absoluta.

Durante anos tocaram juntos, moraram juntos, trocaram experiências de música e de vida, forneceram combustível para artistas incendiários como Macalé – no caso, em épocas distintas! A faixa é um Improviso radical desenvolvido pelo mestre e seu discípulo, com afinações diferentes, a fita rodando em backwards, é um tema de uma beleza desconcertante que coroa o fechamento do disco.

Em “Corpo nós”, Held quer conquistar ouvintes com a rebuscada trama de timbres que encorpam repertório autoral e que vão além do universo musical de Gordin. É o compositor que pede passagem no disco, se sobrepondo ao guitarrista.

Ouça o álbum no seu streaming favorito: https://smarturl.it/GuilhermeHeld

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *