A Outra Banda da Lua celebra 5 anos de rock rural afro psicodélico com EP o “Catapoeira”

Post-rock, João Bosco, Elis, Beatles, Caetano, rock africano e Radiohead se encontram no mosaico psicodélico do EP “Catapoeira”, lançamento d’A Outra Banda da Lua. Olhando para suas origens sem perder o foco no futuro, o trabalho vem para anunciar uma nova formação – a vocalista, Marina Sena (Rosa Neon), passará a se dedicar à sua carreira solo -, mas também celebrar os cinco anos de trajetória que levaram o projeto a palcos de destaque no cenário nacional. 

Ouça “Catapoeira”: https://smarturl.it/CatapoeiraEP

O caldeirão sonoro d’A Outra Banda da Lua transforma referências do rock rural afro psicodélico em identidade. Propondo um diálogo entre sua raiz norte mineira e uma forte carga afro-indígena com culturas do mundo sob um viés pop, o grupo visa a um som universal sem se distanciar de suas origens. Em “Catapoeira”, os músicos fazem um retorno à forma, buscando uma sonoridade mais orgânica que remete aos seus primeiros lançamentos em cinco faixas inéditas produzidas por Rafael Carneiro no Guella Music. O trabalho foi viabilizado por um financiamento coletivo bem sucedido realizado em 2020.

“Tendo referência nosso primeiro álbum, esse EP teve um processo inverso. Enquanto no primeiro trabalho nós ficamos quase 3 anos produzindo, em ‘Catapoeira’ foram 3 meses intensos de pré-produção, gravação e finalização, o que sem dúvida foi o maior dos desafios. E além disso nesse EP houve uma busca por uma sonoridade mais orgânica que remetesse as origens d’A Outra Banda Da Lua e por referências das nossas raízes catrumanas”, explica Matheus Bragança (baixo, violão, voz). Além dele e de Marina, o grupo traz em sua formação Edssada (guitarra, bandolim e voz), André Oliva (guitarra, violoncelo, percussões e voz), Mateus Sizilio (bateria e voz) e Daniel Moço (percussões).

Essa saudação às origens é perceptível em momentos como a homenagem a Zé Côco do Riachão, grande compositor e rabequeiro norte mineiro, carinhosamente chamado de  “Beethoven do Sertão”, em “Liga Essa Vitrola”; na própria sonoridade mineira-baiana-sertaneja presente de maneira geral; e na referência aos Catopês, um dos mais marcantes signos da cultura montes-clarense. 

Foi em Montes Claros (MG) que A Outra Banda Da Lua teve seu início no final de 2015 após o encerramento do Baru Sonoro, até então projeto que Marina Sena e Mateus Sizílio integravam. Após o término, convidaram  Edssada (que também integrou o Baru Sonoro) e Matheus Bragança a participar do grupo e fundaram A Outra Banda Da Lua em busca de novas possibilidades. Com shows explosivos nos palcos mineiros, o grupo logo se destacou pela autenticidade e identidade regional forte, seja nas releituras, seja no repertório autoral que surgiu organicamente.

Após circular por dois anos, a banda lançou o primeiro single e clipe, “Serra do Mel”, em 2017, seguido da “Live Session no Sonastério”, uma série de vídeos ao vivo com quatro canções gravadas no estúdio em Nova Lima e em uma nova parceria com o diretor Vito Soares. Ele assinaria também o próximo clipe, “Lua”, abrindo os caminhos para o álbum que sairia em abril de 2020. 

Assista ao clipe “Serra do Mel”: https://youtu.be/8jgoUFsdfzY
Assista ao clipe “Lua”: https://youtu.be/n9lAXGwMXhM
Assista a “Na Roça” (Live Session no Sonastério): https://youtu.be/G3PkJ1MV0Sg

“A Outra Banda da Lua” promoveu um encontro entre o lado ancestral e contemporâneo do sexteto, mesclando raízes regionais com pop. O álbum traz 9 faixas autorais e uma releitura de “Desentoado” (Tino Gomes/Charles Boavista), com produção de Rafael Carneiro. O lançamento aconteceu pelo selo Under Discos, do produtor musical e empresário Barral Lima. 

Esse breve histórico levou A Outra Banda da Lua a conquistar o primeiro lugar no Prêmio de Música de Minas Gerais, com as canções “Cavalaria” (2017) e “Na Roça” (2018); e a palcos de destaque, como Mostra de Cinema de Tiradentes (MG), Semana Internacional da Música (SIM SP), Hacktown (Santa Rita do Sapucaí/MG), dentre outros.

Agora, o grupo está pronto para mais. A partir do lançamento de “Catapoeira”, Matheus Bragança, Edssada, Mateus Sizilio, André Oliva e Daniel Moço dão continuidade ao projeto. 

“Esse EP foi um período  em que olhamos para o chão já percorrido, ‘catamos a poeira’, e seguimos em frente, nos adaptando às mudanças que o decorrer da vida nos proporciona assim como várias outras que a banda teve em seu processo. E de certa forma esse trabalho representa essa celebração com tom de despedida/benção à nossa irmã e vocalista, e uma benção/ensaio da ‘nova formação’”, sintetiza Matheus.

Ouça “Catapoeira”: https://smarturl.it/CatapoeiraEP

A Outra Banda Da Lua é:

Marina Sena
Matheus Bragança
Edssada
Mateus Sizilio
André Oliva
Daniel Moço

CATAPOEIRA (2021)

1- Catapoeira (Marina Sena/Matheus Bragança)
2- Vento Que Bate (Marina Sena/Matheus Bragança)
3- Liga Essa Vitrola (Edssada)
4- Batuque De Catopê (Marina Sena/Matheus Bragança)
5- Chuva Pra Nós (Adriano Lélis/Edssada/Mateus Sizilio)
Ficha técnica

Produzido por Rafael Carneiro

Gravado e mixado por Rafael Carneiro no Estúdio Guella Music, em Montes Claros/Minas Gerais/Brasil entre outubro e dezembro de 2020

Masterizado por Maurício Gargel no Estúdio Mauricio Gargel Audio Mastering, em São Paulo/São Paulo/Brasil

Produção Executiva: Matheus Bragança
Direção Musical: Matheus Bragança
Coordenação De Produção: Caril Caril
Fotografia Thiago Botelho
Projeto Gráfico: Caril Caril
Styling : Tainá De Castro
Beleza: Sasá Ferreira

Acompanhe A OUtra Banda da Lua:
Youtube: https://www.youtube.com/aoutrabandadalua
Facebook: https://www.facebook.com/aoutrabandadalua
Instagram: https://www.instagram.com/aoutrabandadalua/
Spotify: https://open.spotify.com/artist/5yMnuI96wnGIeRvQBByBBc

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *