Caim de José Saramago – um romance do velho testamento

jose-saramago-pb-duofox

Não é sacrilégio ou exagero dizer que José Saramago é o deus da polêmica.
Há quem enxergue em sua obra um excesso de exibicionismo, em que ele explicita sua visão contra certos aspectos, não só religiosos, mas também políticos e sociais.

Exibicionista e polêmico ou não, certo é que Saramago foi premiado com o Nobel em 1998, por real mérito, devido a tudo o que apresentou em suas obras.A obra Caim, publicada em 2009, traz novamente a visão saramaguiana sobre a religião, onde o autor reconta à sua maneira, a conhecida história de Caim, o primeiro homicida que o mundo conheceu.

Em Caim, Deus, que durante quase toda a narrativa aparece grafado com letra minúscula, é apresentado por Saramago como um ser Divino cruel e que parece não ter controle sobre sua própria criação.

Do outro lado, temos um Caim forte e vigoroso que, mesmo após matar seu irmão, Abel, ainda se sente no direito de irar-se e discutir com Deus a respeito de sua conduta criminosa. Logo após a expulsão de Adão e Eva do paraíso, Caim surge na história sob a forma de guia, conduzindo o leitor através de passagens bíblicas conhecidas, como as de Abraão, Jó e Noé.

Por meio delas, Saramago nos obriga a refletir acerca do poder e existência de Deus. O embate entre Criador e criatura é o fio condutor de toda a narrativa.Um das passagens mais interessantes da narrativa surge logo após o assassinato de Abel, em que Deus, passeando para ver suas “criaturas”, encontra Caim e o questiona.

“Que fizeste com teu irmão, perguntou, e caim respondeu com outra pergunta, Era eu o guarda-costas de meu irmão, Mataste-o, Assim é, mas primeiro culpado és tu, eu daria a vida pela vida dele se tu não tivesses destruído a minha.”

Esse trecho é apenas o começo da peregrinação de Caim pelo mundo, onde nunca sabemos se Deus virá para salvar ou condenar seus filhos.

Felipe Terra Escrito por:

Professor e amante da arte literária, atua na área da educação desde 2011. Viciado na música de Bach, Mozart e Chet Baker, e na literatura de Raymond Chandler, Ross Macdonald e Paul Auster. Ama escrever e acredita que poderia ler mais, porém, precisa dormir, infelizmente. Consegue passar horas jogando pôquer ou xadrez com os amigos. Degustar pizzas de queijo e bacon é um dos passatempos prediletos em horas de fome extrema.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *