Coisa mais linda – Série brasileira original Netflix esbanja música e charme

Coisa Mais Linda é uma daquelas séries que te prendem maravilhado em frente à TV! A série brasileira original da Netflix, conta com um elenco incrível e um roteiro de época muito bem produzido.

Ambientada nos anos 50/60, no Rio de Janeiro, o enredo da história mostra as lutas, os desafios diários de uma mulher – mãe solteira – e recém-separada, em busca da independência financeira e a liberdade plena em todos os sentidos.

Diversos temas são abordados, como feminismo, racismo e muita música. Paralelo a isso, a trama traz um belo recorte sobre o começo de um dos movimentos mais marcantes da música popular brasileira, a bossa nova. A fotografia é um dos pontos fortes, retrata com fidelidade a época.

Coisa mais linda

A vida de Malu, uma das personagens centrais da trama, interpretada pela atriz Maria Casadevall é embalada por várias canções desta época.

Coisa mais linda: por que você deve assistir a esta série!

Malu, após ser enganada e abandonada pelo marido, vira sócia de um bar, com Adélia ( Pathy Dejesuse) que é uma mulher negra e empregada doméstica. As duas juntam forças e transformam esse pequeno e acabado recinto, no lugar mais badalado e requisitado da cidade, uma pequena casa de shows, com apresentações de aspirantes a músicos, bandas de jazz e bossa.

Com o burburinho cada vez maior, começam as interferências (sempre de homens brancos e dominadores), para fechar o local, gerando vários conflitos entre os personagens.

Com o desenrolar dos capítulos elas influenciam outras mulheres e são vistas como exemplo de coragem. Fortalecem os laços e ficam amigas da escritora e jornalista Thereza (Mel Lisboa) e Ligia (Fernanda Vasconcellos), mais duas personagens centrais da série.

As quatro amigas formam uma espécie de “quarteto mágico”, e abordam principalmente a liberdade e o empoderamento da mulher na sociedade brasileira.

Lutam contra preconceitos, machismo, e outras mazelas como o ultra conservadorismo, que sempre assolaram o Brasil, ainda mais numa época que se “ensinavam”, através de cartilhas, as mulheres em como agradar seus respectivos maridos.

Quem assina a direção dessa obra são Caíto Ortiz, Hugo Prata e Julia Rezende. Não se tem notícia ainda da terceira temporada, mas muitos já apostam as fichas em setembro de 2021.

Enquanto ela não vem, as duas primeiras temporadas já estão disponíveis para os distraídos que ainda não viram e para os que já viram, darem aquela revisada.

# Abutres não ouvem Jazz – EP40 – Tom Jobim & João Gilberto

 

 

Tito Cepoline Escrito por:

Entrou para compor o timaço do podcast ABUTRES NÃO OUVEM JAZZ, formando o power trio mais improvável e pra lá de especial. Apaixonado por viagens e artes no geral, em especial a música, tem ouvido aberto para vários estilos, alguns bem peculiares e passeia na linha que vai do jazz ao hardcore. Viagens e Música não são meros itens na prateleira!! Seguindo essa máxima, segue na luta diária de promover, divulgar, incentivar cultura, arte independente, lugares pitorescos, praias belíssimas que tanto são necessários para nossa sobrevivência!!

2 Comentários

  1. Aline
    janeiro 16, 2021
    Responder

    Grande descrição sobre a série mais bossa nova do Netflix! Boa pedida, boa música, incríveis atrizes !!
    Otima dica!!👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *