Imaterial – O novo álbum dos portugueses do Vatsun

Vatsun é um projeto independente de música eletrônica com canções em português, formado por Sérgio Deuchande que canta, escreve e produz as batidas eletrônicas, e por Bruno Garcez que toca Microkorg e cuida da composição e produção musical. O novo álbum dos portugueses Vatsun chamado Imaterial, no seu estilo, tenta ser original assumindo que tal é impossível. No fim, o que importa mesmo é cantar outra vez. A sonoridade situa-se entre a música eletrônica, synthpop, pós-punk e new wave. Exemplo disso é o single que é um dos destaques do disco chamado Pressa.

Fotógrafo: Jorge Serra
Fotógrafo: Jorge Serra

Pressa

À noite voltei, já não te apanhei em casa 
Porta boquiaberta, luz da mesa tombada 
Foquei-me no vidro para ver a tua sombra passar… por mim 

Quando acordei, não me lembrava de nada 
A marca no sofá, figura humana formada 
Com tanta cerimónia a vida inteira andei 
Se não for por ti, não é por mais ninguém… agora 

Lá vou eu mal e depressa para te compensar 
Bem sei que o tempo aperta 
E está cheio de pressa para nos tentar levar 
Sei lá eu o que é que eu quero 
O que há no fim é só esta pressa 
Tanta pressa 

Cheguei ao jardim, a sorte está combinada 
A noite já ganhou, mas faz-se de convidada 
Imponho uma trégua, para tentar encontrar-me a mim… por ti 

Agora nem sei se posso ser salvo 
Deixo alguém entrar assim que baixar o alvo 
Sem pedir licença a memória trai 
A cada lembrança outra glória descai… agora 

Lá vou eu mal e depressa para te compensar 
Bem sei que o tempo aperta 
E está cheio de pressa para nos tentar levar 
Sei lá eu o que é que eu quero 
O que há no fim é só esta pressa 
Tanta pressa 
Sei lá eu o que é que eu quero 
O que há no fim é só esta pressa 
Tanta pressa

Onde encontrar o Vatsun: 

Bandas Sol a Pino e Marulho fazem shows juntas em 21 de janeiro na Pompéia

Permeados por psicodelia, os grupos unem forças no palco da Breve a partir das 20h
 
O próximo domingo será marcado pela apresentação de Sol a Pino e Marulho, expoentes em curva ascendente no cenário indie paulistano. Com histórico recente de shows lotados no Teatro da Rotina, as bandas debutarão no palco da Breve (Rua Clelia, n° 470), dia 21 de janeiro (domingo), a partir das 20h e ingressos a R$ 20,00. 
 
sol a pino
Repletos de expertise instrumental, canções imersivas e prestes a lançar seus primeiro álbuns inteiriços, Sol a Pino é integrada por Iran Ribas (guitarra e vocal), Guto Passos (baixo), Julio Epifany (bateria), Leo Bosnic (teclado), Rodrigo Saffuan (guitarra e vocal) e Vini Blanco (percussão) enquanto Marulho é composta por Caio Nazaro (voz e guitarra), Pedro Godoy (bateria) e Stefan Podgorski (voz e baixo). 
 
Serviço:
Sol a Pino e Marulho @ Breve
• Data do show: 21 de janeiro de 2018 (domingo)
• Endereço: Rua Clélia, nº 470 – Pompéia (Metro Barra Funda – Linha Vermelha)
• Ingressos: R$ 20,00 na bilheteria
• Início da apresentação: 20h
• Censura: 18 anos
*A Breve aceita pagamentos em dinheiro, débito e crédito.
 
Fotos/créditos:
• Sol a Pino (primeiro anexo)- Leo Bosnic
• Marulho (segundo anexo) – Bijou Monteiro
 
Acompanhe:

Milocovik se apresenta no Baixo Augusta no próximo sábado

O evento acontece em 13 de janeiro, sábado, às 23h e tickets a R$ 15,00
 
A próxima semana será marcada por mais um show de Milocovik em meio ao ciclo de divugação de “Automatic Complaints”, álbum autoral lançado pelo quarteto em 2017. A banda – formada em 2006 – despontou no cenário independente com o promissor EP “Sex Pack” e, após participar de diversos festivais brasileiros, concentrou esforços ao longo de dois anos na criação de seu primeiro disco inteiriço. Gravado entre os estúdios Eletric Garden, 12 Dólares e Family Mob – todos em São Paulo – e masterizado por Arthur Joly na Reco-Head, “Automatic Complaints” é a retomada de um Milocovik dançante e influenciado por Beatles, Motown, pós-punk e trilhas de novelas oitentistas.
 
O show acontece no Presidenta – Bar e Espaço Cultural (Rua Auguta, nº 335 – Centro), a partir das 23h, com ingressos a R$ 15,00 e censura 18 anos. Integrado por Claudio Dantas (guitarra), Iran Ribas (baixo), Ito Andery (bateria) e Toni Pereira (vocais), Milocovik foi recentemente laureado por “Automatic Complaints” com a Menção Honrosa do site Embrulhador em sua tradicional lista de Melhores da Música Brasileira. 
 
Serviço:
• Milocovik no Presidenta – Bar e Espaço Cultural
• Data: 13 de janeiro de 2018 (sábado)
• Início do show: 23h
• Rua Auguta, nº 335 – Centro 
• Ingresso: R$ 15,00
• Lotação: 80 pessoas
• Censura: 18 anos
———-
* O Presidenta – Bar e Espaço Cultural aceita pagamentos apenas com dinheiro e cartões de débito/crédito; 
** As cópias físicas de “Automatic Complaints” estarão à venda por R$ 20. 
 
Para acompanhar e ouvir: 
• Instagram – http://instagram.com/milocovik (hashtag #milocovik) 
• Site oficial – http://www.milocovik.com 
 
Foto/crédito: 
•  Claus Lehmann.

El Chivo Fiesta com Giallos, Zelador e The Diggers.

Neste último sábado 23/12, a vibe de natal adentrava a noite, com o ultimo show do ano,Não era qualquer show, era uma gig para comemorar o aniversário do Matias Picón, com Giallos, Zelador e The Diggers.. Coisa fina, com direito a nintendinho 8 bits, camisetas e material das bandas.”Apresentamos este show em casa, sim, na sala de casa. três bandas de rock selvagem, puro e doido.” assim profetizou o cabrón.
A banda que deu o start foi o Zelador, formado por Arthur Carvalho, Sarah Caseiro e Guilherme Pacola. Mandaram um som alternativo, bem anos 90. Um trio mágico!!!!

zelador

A segunda banda, era da casa, The Diggers – formadas por Leco Rezende (vocais, guitarra), Luis Tissot (vocal, guitarra) e Matias Picon (bateria) em São Paulo no ano de 2016. Garage Rock 60’s classudo, banda linda.

the diggers

E para fechar a noite a tríade garageira do ABC Paulista, o inigualável Giallos é um trio formado em 2010 por Flávio Lazzarin (bateria), Luiz Galvão (guitarra) e Claudio Cox (vocal), influenciado pelo rock de garagem e primitivo de todas as épocas, filmes B dos anos 60 e 70, blues, free jazz e punk. Fizeram uma apresentação com uma vibe indescritivel, com direito a theremin e backing vocals estilo Fugazi. Grande noite, já estamos com saudades. Até a próxima.

giallos

 

Grená e Marulho se apresentam no Teatro da Rotina em 16 de dezembro


Com show marcado para as 21h, as bandas somam forças em evento comemorativo no Baixo Augusta
 
O próximo sábado, 16 de dezembro, será marcado pela reunião das bandas Grená –  integrada por Uirá Ozzetti (violão, guitarra e vocal), Rodrigo Lavorato (baixo e vocal), Dau Morelli (teclado e efeitos), Thiago Boemeke (violão, guitarra e vocais) e Leandro Amorim (bateria e percussão) – e Marulho – formada por Caio Nazaro (voz e guitarra), Pedro Godoy (bateria) e Stefan Podgorski (voz e baixo) no Teatro da Rotina (Rua Augusta, nº 912, Centro – Metro Consolação). O show celebra o lançamento da campanha de financiamento coletivo de Grená para a gravação de seu primeiro álbum inteiriço e, ainda, o debut do EP ao vivo de Marulho gravado no Veredas Estúdio  
 

Repletos de expertise instrumental e canções imersivas, as bandas – expoentes promissores do atual cenário indie paulistano – contam com ingressos que variam de R$ 25,00 a R$ 50,00 e o início do show marcado para às 21h.   

 
 
Serviço:
• Grená e Marulho @ Teatro da Rotina/SP
• Data do show: 16 de dezembro de 2017 (sábado)
• Endereço: Rua Augusta, nº 912 – Centro (Metro Consolação – Linha Verde)
• Ingressos: R$ 25,00 antecipado no site https://www.sympla.com.br/grena–marulho__223041
 e R$ 50,00 na porta
• Início da apresentação: 21h
• Censura: Livre
• Estacionamento não-conveniado: R$ 20,00
*O Teatro da Rotina pagamentos em dinheiro, débito e crédito.
 
Acompanhe:

Juventude – Novo álbum do Nosso Querido Figueiredo

Nosso Querido Figueiredo é um projeto musical idealizado por Matheus Borges em 2008, após uma decepção amorosa e o segundo turno das eleições municipais. Lançou cerca de 50 gravações (entre álbuns e EPs) em quase uma década de atividade. O som de Nosso Querido Figueiredo é caracterizado por sintetizadores digitais, linhas de baixo e baterias eletrônicas. Passeou pelo pós-punk, pelo samba eletrônico e pelo noise pop, sempre fiel à estética lo-fi da gravação caseira.

O próprio Matheus Borges, fala um pouquinho sobre A gravação do novo álbum do Nosso Querido Figueiredo, chamado “Juventude”;

Por dois anos eu vinha cultivando na minha cabeça uma canção esquisita que dizia diretamente ao ouvinte: Esse é o som do fim da sua juventude. Se deu na maior parte entre o outono e o inverno de 2017, um período de tédio e frio em que a umidade de Porto Alegre penetrava no teclado do meu computador. Eu acompanhava os acontecimentos do Brasil e do mundo nos noticiários, ao mesmo tempo em que lidava com minha própria ansiedade, minha própria depressão sazonal – não tão incomum entre os habitantes desta cidade que passa semanas sem receber ao menos um raio de sol nos meses de julho ou agosto.

Alguns conceitos que permeiam a temática do disco

Ansiedade: Perceber que estou envelhecendo, mas não necessariamente amadurecendo.
Amadurecer é uma condição anterior à velhice.
Envelhecer é a resposta do corpo ao processo interno de aceitar a idade adulta.
Senso comum: Primeiro, a sabedoria. Depois, os cabelos brancos.
No entanto, tenho entradas na testa e ainda não me sinto sábio.

Moro debaixo de um teto e tenho animais de estimação. Tenho livros, muitos livros, tenho uma palavra atrás da outra para justificar um momento que não chega. Tenho um diploma e um grande passado pela frente.

Sim, esse é o fim da minha juventude. Mas isso não quer dizer que eu tenha amadurecido.
Afinal de contas, o que é a juventude?

É um recorte temporal na vida de alguém ou simplesmente um estado de espírito?
Ansiedade: Não tenho paciência para as perguntas. Quero inventar minhas próprias respostas.

Guaiamum retorna ao Teatro da Rotina para show ao lado dos curitibanos do Naked Girls and Aeroplanes

Apresentação acontece na próxima sexta-feira, 24 de novembro, com ingressos antecipados a R$ 20,00
 
Empreitada de folk encorpado capitaneada por Daniel Ribeiro – cantor, instrumentista, compositor e produtor radicado em São Paulo -, Guaiamum volta ao Teatro da Rotina, local em que debutou seu álbum de estreia, para apresentação especial ao lado de Naked Girls and Aeroplanes. O evento integra a programação de aniversário do espaço, trincheira cultural cravada no coração do Baixo Augusta.
 
Premiado pelo site Embrulhador como um dos cem ‘Melhores da Música Brasileira’ por seu álbum de estreia lançado 2016, Guaiamum – que já dividiu o palco com Ná Ozzetti, Flavio Tris, Luz Marina, Felipe Antunes, Bratislava e Franny Glass – se apresenta com o grupo Naked Girls a partir das 21h com ingressos antecipados a R$ 20,00 no site https://www.sympla.com.br/guaiamum–naked-girls–aeroplanes__209221 e R$ 40,00 na porta. 
 
Serviço:
• Guaiamum @ Teatro da Rotina/SP
• Data do show: 24/11/2017 (sexta)
• Endereço: Rua Augusta, nº 912 – Centro (Linha Verde – Estação Consolação)
• Início do show: 21h
• Ingressos antecipados a R$ 20,00 no site https://www.sympla.com.br/guaiamum–naked-girls–aeroplanes__209221 ou disponíveis na bilheteria da Etnohaus no dia do evento
• Valor do disco físico de Guaiamum: R$ 30,00
• Censura livre
• Lotação: 50 assentos (Sala Jacutinga) 
* O Teatro da Rotina aceita pagamentos em dinheiro, débito e crédito.  
 
Acompanhe:
• Instagram – http://www.instagram.com/guaiamummusic (hashtag #guaiamummusic)
 
Ouça: 
• Youtube – http://bit.ly/1Yu2HJ0 
• SoundCloud – http://bit.ly/1WOVFPs 
• Spotify – http://bit.ly/24U3ylZ 
• Deezer – http://bit.ly/1YuPRty 
• iTunes – http://apple.co/265LGXM 
Assista:


Oto Gris faz show no Teatro da Rotina em 23 de novembro

Produzida por Saulo Duarte, a banda apresenta ao lado de Bratislava na próxima semana em meio aos festejos de quinto aniversário do espaço
 
Integrada por Davi Serrano (voz e guitarra), Jonas Gomes (baixo) e Victor Bluhm (bateria e programações), Oto Gris – banda originada em Fortaleza – leva sua expertise instrumental alinhada a versos pungentes ao Teatro da Rotina (rua Augusta, n° 912) no próximo dia 23 de agosto (quinta-feira) às 21h. Premiado pelo tradicional site Embrulhador por ‘Avôa’ – seu álbum de estreia – como um dos cem Melhores da Música Brasileira de 2016, o trio tem seu repertório permeado texturas e experimentações.
 
Em parceria com a banda paulistana Bratislava, também laureada entre os Melhores da Oto Gris ressignifica suas canções para  o novembro festivo do Teatro da Rotina com ingressos antecipados a R$ 20,00  pelo site https://www.sympla.com.br/bratislava–oto-gris__206825
 
Serviço:
• Oto Gris @ Teatro da Rotina/SP
• Data do show: 23/11/2017 (quinta-feira)
• Endereço: Rua Augusta, nº 912 – Centro (Linha Verde – Estação Consolação)
• Valor dos ingresso: antecipados a R$ 20,00 no site https://www.sympla.com.br/bratislava–oto-gris__206825 e a R$ 40,00 na porta
• Início da apresentação: 21h
• Estacionamento não-conveniado: R$ 20,00
• Censura: Livre
* O Teatro da Rotina – além de aceitar todos os cartões de débito e crédito – comporta área para fumantes. 
 
Acompanhe e ouça gratuitamente:
• Site oficial – http://www.otogris.com 

Teatro da Rotina – Programação especial em novembro para 5º aniversário

Com Ná Ozzetti e Passo Torto, Lineker, Zéu Britto, Jair Naves e Bratislava entre seus headliners, line-up marca celebração de mais um ano de resistência do espaço independente

              Fundado em 2012 por Leonardo Medeiros – ator, diretor e dramaturgo – o Teatro da Rotina – coletivo de artistas e comunicólogos localizado na rua Augusta, n° 912 – congregará seus medalhões musicais a partir de 1° de novembro (quarta-feira) para um mês inteiro de celebração. Permeada por folk, rock, mpb, psicodelia e prog, a pluralidade da programação conta – desde novembro de 2016 – com curadoria da jornalista Bijou Monteiro e, durante o mês festivo, terá o reforço dos padrinhos sonoros Daniel Ribeiro (frontman de Guaiamum), Flavio Tris, Rodrigo Saffuan (jornalista e guitarrista do sexteto Sol a Pino) e Jairo Pereira (frontman de Aláfia e Mutum) como mestres de cerimônias dos eventos.  

             Iniciado pela apresentação de Wander B (em 1°/11), o ciclo de shows contará com apresentações de Mutum (2/11), Grená (de Uirá Ozzetti, em 3/11), Versos Que Compomos Na Estrada (4/11), Paulo Monarco (8/11), Anna Tréa (9/11), Passo Torto e Ná Ozzetti (10/11), Jair Naves (11/11), Zéu Britto (15/11), Consuelo de Paula (16/11), Lineker (17/11), Sol a Pino (18/11), Felipe Camara (22/11), Bratislava + Oto Gris (23/11), Guaiamum + Naked Girls And Aeroplanes (24/11), Bernardo do Espinhaço (25/11), Socorro Lira (29/11) e Flavio Tris (30/11). Com ingressos antecipados a preço promocional de R$ 20,00 por show no link https://www.teatrodarotina.org/ingressos, os eventos começam sempre às 21h e têm censura livre.    

               Calcado na temática de resistência artística, o Teatro da Rotina é um espaço sem patrocínios ou fins lucrativos mantido estritamente com o dinheiro das bilheterias das apresentações e, ainda, com a ajuda do trabalho voluntário de sua aguerrida companhia formada por Clara Moraes, Bruna Brito, Diego Monteiro, Elly Dantas, Juliana Simon, Neto Medeiros, Paula Vilhena, Rodrigo Lavorato, Victor Deamo e Vinícius Ferreira.

Serviço:

  • Teatro da Rotina/SP
  • Data dos shows: de 1° até 30/11/2017 (shows às quartas, quintas, sextas e sábados)
  • Endereço: Rua Augusta, nº 912 – Centro (Linha verde – Estação Consolação)
  • Lotação: 50 assentos
  • Horário das apresentações: 21h
  • Valor do ingresso: R$ 20,00 antecipado no site https://www.teatrodarotina.org/ingressos ou R$ 40,00 na porta. O Teatro da Rotina aceita cartões de débito, crédito e pagamento em dinheiro.
  • Estacionamento não-conveniado: R$ 20,00
  • Censura: Livre   

Para acompanhar:

Foto:

  • Tatiana Bauer Nolla

 

Versos Que Compomos Na Estrada lança single de ‘Salinas’

Presente no compacto ‘Um Verão Qualquer’, faixa marca a continuidade da trilogia idealizada pelo duo paulista
 
Resgate que congrega folk, baião e a poesia cancioneira de Humberto Teixeira, Bob Dylan, Atahualpa Yupanqui e Gilberto Gil, Versos Que Compomos Na Estrada lança ‘Salinas’, o segundo single de ‘Um Verão Qualquer’, segundo compacto – por sua vez – da trilogia iniciada em 2016. Assim como a faixa ‘Cais’, debutada em setembro deste ano, ‘Salinas’ foi produzida por Lucas Mayer, gravada no estúdio Dafne e ilustrada por Pedro Gabriel, artista responsável pelo projeto-personagem ‘Eu Me Chamo Antonio’.
 
Solar e embalada pelo frescor que antecede o verão, ‘Salinas’ abarca elementos de baião – sempre presentes na rotina de Lívia Humaire e Markus Thomas, músicos fundadores do duo – e representa a gradação sonora do compacto ‘Um Verão Qualquer’. Iniciada com ‘Cais’, faixa reflexiva e com contornos de caixinha de música noir, o disco – que ganha corpo a cada nova canção divulgada – reitera Versos Que Compomos Na Estrada como uma dupla de poetas com rara delicadeza sonora.
 
Anacrônico e orgânico, o duo escreve a maior parte de suas canções na cidade de São Paulo para encontrar na estrada o verdadeiro lar. Com seu primeiro disco inteiriço lançado em 2014, Lívia e Thomas começaram a tríade de compactos com ‘Desate’ (2016) para, a partir dele, contrariar a velocidade devoradora do mundo e saborear as faixas homeopaticamente com seu público. 
 
Com um milhão de plays no Spotify, Versos Que Compomos Na Estrada tem canções gravadas por A Banda Mais Bonita da Cidade e histórico de shows lotados em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Mariana, Caxias do Sul, Porto Alegre, Portugal, Alemanha e Paris. 
 
Imagem/créditos:
• Mario Águas
 
Ficha técnica: 
• Composição: Lívia Humaire e Markus Thomas
• Arranjo:  Lucas Mayer
• Produção: Lucas Mayer
• Mixagem e masterização:  Rodrigo Deltoro
• Vocais: Lívia Humaire e Markus Thomas
 
Acompanhe:
• Instagram – http://www.instagram.com/versosquecompomosnaestrada (hashtags #versosquecompomosnaestrada e #somosorganicos)