El Negro aposta no electro rock em ‘Você Dançou’

 

O electro rock assume o controle na nova música do duo gaúcho El Negro, ‘Você Dançou’. É o quarto single do disco “Como um raio silencioso que antecede o trovão”, que sai em 2022 pelo selo Toca Discos.

‘Você Dançou’ estreia no streaming dia 7 de janeiro. Ouça aqui: https://links.altafonte.com/op6mrvr.

‘Você Dançou’ é a perfeita sinergia do seu habitual desert rock com a música eletrônica. Entre riffs e beats, o duo fala de percepções e viagens sobre a pista de dança.

Um videoclipe de ‘Você Dançou’ também chega ao canal de Youtube da banda neste 7/1, às 11h: https://youtu.be/NI2op8alFKY.

A produção é dirigida por Luís Floriano e Leonardo Savaris, em que a El Negro explora as pistas de diversas casas noturnas de Porto Alegre que estavam paradas durante o período mais crítico da pandemia.

“A pista de dança é um disfarce para os problemas do mundo real. É um lugar onde a felicidade reina e que revela perspectivas sobre nós mesmos”, comentam Leandro Schirmer (bateria) e Mumu (vocal/guitarra).

“Isso parece um sonho/Vejo nossas pegadas nas areias do tempo. É bom estar ao seu lado/Como se o vento soprasse no meu caminho”, cantam no refrão do single com letra em clima dylanesco, um convite para se entregar às batidas fortes entre guitarras lisérgicas e sutis teclados setentistas.

“A gente queria fazer uma mistura que fosse um petardo sonoro, entre a música eletrônica e o rock. Algo que tivesse características do século 21, mas sem deixar de lado os riffs, afinações baixas e slides que são características da banda. Ter assistido o show dos ingleses do Kasabian, foi uma grande influência para que essa mistura acontecesse com todos esses elementos”, destacam Mumu e Leandro.

Outra curiosidade é que a música tem quase sete minutos de duração, o que é uma característica das faixas eletrônicas.

El Negro nas redes:
instagram.com/el_negro_insta
facebook.com/musicelnegro

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Tolstói, Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.