Lost Lions, Projeto Trator e Maurício Takara salvaram o fim de semana

Chega o fim de semana e o ditado é sempre o mesmo, “Vou descansar, dormir… ah não tem nada para fazer, cidade chata… blábláblá”. O engraçado que as pessoas que reclamam, dificilmente mudam o cenário. Chega de balela… neste último sábado 25/07, chuvoso, frio, com o pé encharcado e muita coragem. Chegamos na Casa das Mangueiras com uma garoa fina e um frio adorável. Exatamente as 20 horas inicia-se o Raro zine Duo Sessions.

O primeiro piloto Kamikaze foi Matias Pícon, com seu projeto denominado Facka. Mesmo desfalcado, seguiu no melhor estilo One man band , tocando bumbo, guitarra e vocal. Mandou canções com sonoridade que fugiram através do túnel do tempo, mais precisamente do inicio da década de 90, com muito delay e bom gosto.

facka

Continuando a dança bragantina, a esquadra zurra perdoense, Crasso Sinestésico, tocou com um pouco mais de punch e mudança na formação. Deixando de lado a drum machine e mudando-se com mala e cuia para bateria de verdade(coisas que só Gepeto faz por você).Fora o setlist de sempre, um cover do Stooges, Gimme Danger encharcado de Fuzz Industry e Delay.

crasso-sinestesico
Por German Martinez

Esfumaçando a noite, com psicodelia setentista. O The Lost Lions destruiu em sua primeira apresentação, com uma sonoridade que agrada tanto os sabbaticos quanto os zepelins. Tocaram um som com qualidade excepcional e com uma projeção de primeira, tornando o show um grande espetáculo visual. Lost Lions foi o destaque da noite.

the-lost-lions_2

Para chutar o pau da barraca e espantar o frio, Projeto Trator fez um pacto na encruzilhada, para tocar bem eternamente e alegrar os amigos com suas canções sabbaticas. Alunos aplicados, sempre tiraram 10, em riffs lentos e ganchudos, em beats arrastados e vocais inimitáveis. Dispensa qualquer comentário, o pacto tem dado certo desde 2006.

projeto-trator


Para fechar a noite de sábado, convidaram todos que sobreviveram as 4 bandas, há subir a escada para os céus ao som da craviola nas mãos de ninguém menos que Sergio Ugeda (Diagonal, Debate), tocando um som instrumental de fazer muitos ficarem com o queixo caído, entre suas alternâncias de ritmo e melodias uníssonas. O Raro zine Duo Sessions foi excelente, se você não pode comparecer neste, compareça no próximo, fica a dica.

sergio-ugeda

Continuando a epopeia sonora numa Gig atibaiense, domingo 26/07, tarde ensolarada com abertura de Guilherme Valério , que misturou ritmos africanos e uma kalimba ligada ao pedal de fuzz, só poderia sair coisa boa, não há duvida quanto a isto.

valerio

Na sequência, Mauricio Takara com Henrique Diaz, deixaram a tarde mais bonita ao som do cavaquinho, cuatro (instrumento latino com 4 cordas, muito utilizado na Venezuela, que faz lembrar um Ukelêlê com corpo maior) e um Skate com cordas de aço. Tocaram canções dos álbuns, puro osso e toti. Tarde linda e com musica de bom gosto, fechando o fim de semana. Recarregando a bateria das pessoas que precisam enfrentar a segunda-feira e que ao primeiro gole de café, sentirão saudade do divertido fim de semana.

m.takara

hab_2

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *