Notícias em três linhas – Fragmentos jornalísticos de Félix Fénéon

Félix Fénéon foi uma figura essencial da Belle Époque. Ele defendeu as artes e condenou a banalidade. Armado com uma inteligência afiada e uma caneta incisiva, ele manteve suas realizações discretas e seus escritos anônimos.

Escriturário do War Office, jornalista, crítico de arte, galerista e editor: Félix Fénéon era um homem de muitos talentos. Também era um colecionador e um anarquista militante!

Uma das coisas mais importantes que você deve saber sobre Félix Fénéon é seu papel no desenvolvimento da arte moderna. Georges Seurat, Paul Signac, Henri-Edmond Cross… Fénéon foi um grande apoiador da geração de artistas que sucedeu Monet. Ele cunhou o termo “Neoimpressionismo” e foi o grande responsável pela fama do movimento e de seus membros. Quando esses artistas estavam sendo criticados e dispensados, Fénéon divulgou suas ideias e expôs seus trabalhos.

Fénéon tinha um gosto impressionante! Ao longo de sua vida, ele apostou em inúmeros artistas e escritores hoje famosos, incluindo Arthur Rimbaud, Marcel Proust, Jules Laforgue e Guillaume Apollinaire, sem falar em Georges Seurat e Paul Signac, Pierre Bonnard e Henri Matisse .

Suas “notícias em três linhas” envolviam fatos cotidianos da França, desde pequenas tragédias de desconhecidos até notas sobre o mercado financeiro e o comércio marítimo. Saíam publicadas na seção “faits divers” (fatos diversos), um espaço pouco prestigiado do jornal pelo reduzido espaço que oferecia para trabalhos intelectuais e aprofundamento crítico.

Nos seis meses em que fez turno vespertino no Le Matin, produziu mais de 20 notas por dia
Estes haikais jornalísticos muito parecidos com aqueles famigerados 135 caracteres do twitter, claro que há um século antes. Teriam permanecido anônimos, não fosse por sua amante Camille Plateel, que colou cada recorte de jornal em um álbum.

O material foi encontrado depois da morte do autor pelo amigo Jean Paulhan (1884-1968, membro da Academia Francesa), que publicou a compilação em 1944 —e lançaria também o livro “F. F. ou le Critique” (F. F. ou o crítico) pela editora Gallimard em 1945. Somente em 2018 os 1.210 microtextos chegaram ao Brasil no livro “Notícias em Três Linhas” da editora Rocco.

Algumas das notícias em três linhas:

Quase septuagenário e completamente arruinado, o Sr. Vincent, ex-negociante, abriu a própria garganta com uma faca de cozinha, em Clichy.

Suicidio: sexagenaria, cega há cinco anos, a Sra. Navette, de Cluny, embebeu-se em essência mineral e ateou fogo.

Oito jovens espanhóis foram encontrados mortos a 1 km do hospício pireneu de Rioumajou: a neve os surpreendera em 31 de outubro

Na igreja de Chavannes, na Savoia, um raio derreteu os sinos e deixou paralítico um paroquiano. Um aguaceiro devastou a vila.

O sr. Jules Kerzerho era presidente de um clube de ginástica, e ainda assim foi atropelado ao tentar saltar para dentro de um bonde em Rueil.

Casado há três meses, um Audouys de Nantes cometeu suicídio, usando láudano, arsênico e um revólver.

Uma mulher estava sentada no chão em Choisy-le-Roi. A única palavra de identificação que a amnésia lhe permitia era “modelo”.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *