O Preço prepara compacto 7 polegadas com inéditas

Após um potente disco de estreia em 2019 (homônimo, em CD e LP), o quarteto paulista O Preço, cujo guitarrista é Christian Targa (Gordo), um dos compositores dos lendários Blind Pigs, retorna em 2021 para entrar na linha de frente do punk rock nacional, com lançamento de disco e clipe já em fevereiro.

E por falar em Blind Pigs, tem música inédita da banda no streaming, Not Dead Yet (ouça aqui). É a prévia do vindouro álbum Lights Out, com oito músicas nunca antes lançadas, gravadas entre 2013 e 2015. Edição limitada, numerada, de apenas 250 cópias.

É um começo de ano com muitas novidades. Logo mais, dia 20 de fevereiro, O Preço lança ‘Sonhos da Televisão’, compacto 7’’ em edição limitada com duas músicas. Três selos estão envolvidos neste lançamento: Detona Records (@detonarecordsbrasil), Vertigem Discos (@vertigemdiscos) e Neves Records (@nevesrecords).

No mesmo dia 20 de fevereiro, às 20h, O Preço participa de uma live na Mutante Rádio. Será a primeira Superlive Mutante & Bode Preto, com transmissão pelo canal da banda no Youtube (Opreçopunkrock) e também na página da Mutante no Facebook (mutanteradiorock).

Para esquentar, a banda acaba de entrar na capa da poderosa playlist Punk Rock Brasuca, uma das mais acessadas do gênero no Spotify, com a música ‘Estupidez Humana’. Ouça aqui: https://rebrand.ly/spotify-opreco.

instagram.com/oprecopunkrock
facebook.com/oprecopunkrock
youtube.com/oprecopunkrock

O Preço é Christian Targa (vocal e guitarra), Mario Rolim (bateria), Marcos Rolando (baixo) e Luccas (guitarra).

Ouça o primeiro disco d’O Preço nas plataformas digitais: https://rebrand.ly/opreco-disco. O debute foi inclusive lançado nos Estados Unidos em vinil.

Selos: Otitis Media Records, Detona Records, Comandante Records. Em vinil, à venda via Vertigem Discos: vertigemdiscos.iluria.com.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *