Omi Okun celebra ancestralidade sacra afro-brasileira no EP de estreia

O santo e o profano se encontram no som de Omi Okun, trio carioca fortemente influenciado pelos sons afro-religiosos e que une a percussividade dos terreiros com um olhar popular sobre a música brasileira moderna. Após gestar suas canções ao longo dos últimos dois anos, o projeto ganha forma com seu primeiro álbum, homônimo, já disponível nas plataformas de streaming de música.

Ouça “Omi Okun”: https://smarturl.it/OmiOkunEP

Uma cozinha roqueira guia os três percussionistas convidados. Virgilio dos Santos (vocal e violões), Dudu Bierrenbach (baixo) e Bruno Rabello (bateria) recebem Alexandre Munrah, Andre Alade e Jahi Oliveira ao longo de seis faixas. Virgílio e Bruno são amigos de longa data, mas Omi Okun surgiu quando o vocalista e violonista mostrou algumas canções que havia composto ao baterista. A ideia de compartilhá-las com outros intérpretes acabou dando lugar a um novo projeto em outubro de 2018. No início do ano seguinte, o trio ganhou sua última parte: o baixo de Dudu, com quem Bruno havia tocado na banda Tamuya Thrash Tribe. 

Na preparação final das gravações, eles conheceram os três percussionistas que vieram para completar a proposta, cuja força motriz é a pesquisa musical em torno da sonoridade sacra afro-brasileira, suas influências e vertentes na música popular tradicional e na música contemporânea de massa. São canções feitas para ouvir durante a travessia, seguindo a mudança das marés.

Além dos três singles já revelados – “Onã”, “Azulzin” e “Oxê -, o trabalho inclui as inéditas “Solo sagrado”, “Omi” e “Cantoria”. Unindo diferentes gerações, Omi Okun repagina influências que vão de Tincoãs, Maruricio Tizumba, Nei Lopes, Candeia, Mestre Darcy do Jongo a O Rappa.

“As canções falam de como o nosso cotidiano está impregnado pela herança cultural-religiosa afro-indígena e como há encantamento, poética e magia em todo nosso cotidiano. Temos a consciência da importância fundamental falar desse tema em tempos tão turbulentos como nosso, em que o racismo e a intolerância religiosa atuam deliberadamente para macular, desonrar e demonizar esses saberes ancestrais. Esse é nosso início. É o ‘Big Bang’ do nosso multiverso. Com a pandemia, fomos forçados a parar e refletir sobre  outros aspectos da nossa arte; nos conectarmos ainda mais com a nossa  proposta. O resultado foi um amadurecimento maior de todos os aspectos  de nosso discurso musical”, revela o grupo, que assina coletivamente a  produção musical do álbum.

Omi Okun faz de seu primeiro trabalho uma impactante declaração de resistência e uma intensa celebração dos cantos, ritos e fé que fazem do nosso um povo de muitas devoções – e uma delas é a música. “Omi Okun” já está disponível nas principais plataformas de streaming.

Ouça “Omi Okun”: https://smarturl.it/OmiOkunEP

Ficha técnica

Voz/Violão/Cavaquinho/Composição: Virgilio dos Santos 
Baixo: Dudu Bierrenbach 
Bateria: Bruno Rabello 
Percussão: Alexandre Munrha e André Alade 
Direção Musical: Virgilio dos Santos 
Arranjos: Virgilio dos Santos e Omi Okun 
Preparação Vocal: Ledjane Motta 
Produção: Omi Okun 
Gravação/Mix/Master: Sidney Sohn – Locomotiva Stúdio 
Produção Executiva: Omi Okun 
Direção de Arte e Design: Dudu Bierrenbach.

Acompanhe Omi Okun: 
https://linktr.ee/OmiOkun

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *