Saul Bass – Um dos precursores do Motion Design

Antes de ser um dos pioneiros no Motion Design com grande destaque no mercado cinematográfico, Saul Bass foi um ótimo designer gráfico. Nascido no bairro de Bronx de Nova York em 1920, era um garoto criativo que desenhou assiduamente. Saul Bass estudou na Art Students League, em Nova York e no Brooklyn College com Gyorgy Kepes, um designer gráfico húngaro que havia trabalhado com László Moholy-Nagy em 1930 Berlim e fugiu com ele para os EUA. Kepes introduziu Bass estilo Bauhaus de Moholy.

Depois de estudar incansavelmente, trabalhando em empresas de design de Manhattan, Saul Bass trabalhou como designer gráfico freelancer ou “artista gráfico”, como eram chamados na época. Mudou-se para Los Angeles em 1946. Depois de ser freelancer, ele abriu seu próprio estúdio em 1950, trabalhando principalmente em publicidade até Preminger convidá-lo para projetar o cartaz para seu filme de 1954, Carmen Jones.

 

Mas o que mudou a vida criativa de Saul Bass foi O Homem do Braço de Ouro, que estabeleceu Saul Bass como um grande Motion Designer. Em 1958, vieram sequencialmente Vertigo, sua primeira sequência do título para Alfred Hitchcock, e logo depois outro de Hitchcock de 1959 North by Northwest,

Saul Bass posteriormente voltou ao design gráfico. Sua obra corporativa incluiu a elaboração de identidades corporativas de grande sucesso para a United Airlines, AT & T, Minolta, Bell Telephone System e Warner Communications. Ele também desenhou o cartaz para os Jogos Olímpicos de Los Angeles 1984.

Para conhecer melhor seus trabalhos

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *