Storytelling – Histórias que deixam marcas

Segundo escritor Antonio Núñes, define o storytelling como uma ferramenta de comunicação estruturada em uma sequência de acontecimentos que apelam aos nosso sentidos e ações. Em resumo é arte de contar histórias.

Mas este papo de storytelling não é antigo?

Sim, mas quando a publicidade e o marketing, resolveram fazer uso desta ferramenta, criou-se um buzz sem fim. Virou jargão de publicitário, histórias de terror que nossos pais contavam na fogueira dos acampamentos ou lendas como As mil e uma noites, que foram contadas através do boca a boca e que se perpetuaram por centenas de anos, são exemplos de storytelling em nossas vidas.

Como as marcas se utilizam de uma arte tão antiga?

Uma marca precisa ser relevante no mercado, para isso ela precisa ser lembrada com extrema facilidade. Seja através da cor, da qualidade do serviço/produto ou até mesmo do logotipo, entre outros elementos. Se você pode juntar todas estas qualidades e atrativos em uma história, fica mais fácil de lembrar. Por isso storytelling é tão importante. Pois uma história bem contada é mais valiosa do que milhões emplacados em uma campanha de publicidade.

E além de ser utilizado no dia a dia da maioria das pessoas, que marcas utilizam o storytelling?

A Nike, Red Bull, Ford, Fiat, Volkswagen, a Disney, Coca-Cola, Apple, Ford, Havaianas, Diesel, Chevrolet entre inúmeras. O storytelling é uma técnica tão difundida, que podemos afirmar que os judeus são mestres na arte, o pentateuco (velho testamento) fala por si próprio. Em como o poder de um livro pode influenciar vidas pelo mundo.

Como diz E.L. Doctorow “escrever um romance é como dirigir um carro à noite. Você só consegue enxergar até onde a luz dos faróis alcança, mas pode fazer a viagem inteira assim”

Alguns cases de Storytelling:

Shakespeare and Company – Uma livraria à beira do Sena

Shakespeare and Company, livraria muito conhecida na França. Graças ao seu antigo proprietário, George Whitman, a livraria ainda hoje possui uma cara de fenda do tempo, lembra uma biblioteca do século18. Ernest Hemingway foi frequentador assíduo. Shakespeare and Company é mais do que uma simples livraria, é ponto vivo da literatura à beira do Sena.

Apple – A máquina de produzir fãs

Steve Jobs e Steve Wozniak foram incríveis ao produzirem um dos primeiros computadores pessoais, brigaram a vida toda com IBM e Microsoft para permanecer no mercado, mas os cuidados e esmero com detalhes nas apresentações de seus produtos. Faziam com que as pessoas se apaixonassem, pela experiência do simples ato de abrir uma caixa, até a utilização do produto feito com requinte. As apresentações de Jobs enfatizam a paixão que ele possuía por seus produtos.

Coca-Cola sinônimo de felicidade

Enquanto tentava criar um xarope, o farmacêutico John Perberton criou a Coca-Cola. E até hoje, a fórmula da Coca-Cola é segredo de estado, o que a Coca-Cola vende não é refrigerante, é felicidade. Tornou-se ícone da cultura pop, está em canções, pinturas e artes gráficas espalhadas pelo mundo.

Leiam este ótimo livro Storytelling – Histórias que deixam marcas de Adilson Xavier!

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *