3 escritores americanos que só os espertos já leram

Bom galera o papo hoje é rápido, e como esperto que é esperto morre de velho, vim indicar aqui 3 escritores americanos (E mais um de brinde) que me deixam muito animado sempre que pego um livro deles nas mãos.

Raymond Chandler

O primeiro é o cara que mais admiro, isso sem contar o gênero policial claro, pois nesse quesito o Raymond Chandler ganha disparado.

PAUL AUSTER

Esse autor é especialista em criar livros que mexem com a nossa mente com uma narrativa densa e complexa, mas que falam muito da vida e das relações humanas.

Em romances como No País das Últimas coisas, Sunset Park, Trilogia de Nova York e O livro das ilusões, Auster constrói narrativas que falam de amizades sólidas e traições, sexo e ilusões perdidas ao longo do caminho pedregoso da vida na cidade grande, e como o indivíduo pode se perder em meio a multidão de ideias e atitudes e nunca, nunca mais se encontrar.

ERNEST HEMINGWAY

Um autor que dispensa apresentações. Prosa rápida e temas comuns do cotidiano que ele transforma e belas obras literárias.

Contos e romances que nos envolvem e deixam aquela sensação de que alguma coisa ainda precisa ser dita, mas que no fundo já nos foi dito. Ler Hemingway nos dá uma visão de mundo ampla.

O autor que viveu intensamente acreditava que escrever era um ofício para poucos pelo fato de que poucos estavam dispostos a sentar a bunda na cadeira e escrever noite adentro.

Ter e não ter, O velho e o Mar, Por quem os sinos dobram? e contos como Uma amizade desfeita e Um gato na chuva nos dão uma aula de prosa envolvente e esclarecedora sobre questões como feminismo, amor, amizade e relações complexas que nos atormentam ao longo da vida.

MARK TWAIN

Mark Twain é o típico autor americano que causava muito na cena literária. Seus textos tinham uma pitada esclarecedora, dessas que lemos como uma piada mas que no meio do texto tinha sim uma crítica.

Ao longo de sua vida se dedicou a escrever romances que ficaram famosos como As aventuras de Tom Sawyer (1876) e As aventuras de Huckleberry Finn (1884) além dos contos de humor que gostava de escrever para jornais. Por volta de 1860, começou a usar o pseudônimo Mark Twain para assinar seus textos. 

Um grande romance de sua autoria e que o próprio Mark apontava como seu grande livro é o romance histórico Joana D ́arc.

Um romance histórico formidável e que reconstrói os passos da jovem heroína francesa. A escrita nesse livro é leve e não se torna enjoativa, o que é comum em livros com a pegada mais documental.

Enquanto Agonizo de William Faulkner há mais de 80 anos perturbando gerações

A Sangue Frio de Truman Capote, pioneiro no jornalismo literário!

A essência do mundo e o porn de Henry Miller

 

 

Felipe Terra Escrito por:

Professor e amante da arte literária, atua na área da educação desde 2011. Viciado na música de Bach, Mozart e Chet Baker, e na literatura de Raymond Chandler, Ross Macdonald e Paul Auster. Ama escrever e acredita que poderia ler mais, porém, precisa dormir, infelizmente. Consegue passar horas jogando pôquer ou xadrez com os amigos. Degustar pizzas de queijo e bacon é um dos passatempos prediletos em horas de fome extrema.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *