# Abutres não ouvem Jazz – Ep36 – Entrevista 04 – Rickson Figueira(Cäbrä)


Neste 36º episódio do abutres não ouvem jazz, Diego Fernandes e Tito Cepoline entrevista Rickson Figueira, uma das mentes por trás da banda Cäbrä. Batemos um papo sobre a banda, composições, sonoridade e o cenário independente do interior de SP, ouçam que a parada está nervosa!!!

Com abordagens líricas que trazem ao debate questionamentos pessoais e político-sociais, o Cäbrä foi modelado com influências de diversos estilos, como o hardcore crossover, death metal e o grindcore.

Dentro de um cenário mundial onde vemos miséria, guerra, ganância, fome e violência, a banda Cäbrä surge como válvula de escape dos músicos Rickson Figueira, que verbaliza isso nos vocais e pela guitarra, o baixista Vinão Batista e o baterista Oto Sales.

Desde 2018 o Cäbrä vem propondo pela musicalidade agressiva uma reflexão a essa atual situação qual vivemos, lançou em 2019 dois singles e dois clipes: “Podridão” (fev/19) e “Ruínas” (ago/19), com destaque no single Ruínas, qual a produção foi inteiramente produzida independentemente no modelo DIY pela própria banda, qual o clipe foi reproduzido no importante portal Hardcore Worldwide.

Com abordagens líricas que trazem ao debate questionamentos pessoais e político-sociais, o Cäbrä foi modelado com influências de diversos estilos, como o crossover, death metal, grindcore. Em suas apresentações abundantes de energia, o público – que costumam de alguma forma se identificar com ideais antifascistas e questionar o mundo contemporâneo – é bastante animado e curtem o espetáculo como se fosse um grito contra todas as barbáries do mundo.

 

# Abutres não ouvem Jazz – EP35 – Buddy Rich & Wayne Shorter

# Abutres não ouvem Jazz – Ep34 – Entrevista 03 – German Martinez

# Abutres não ouvem Jazz – Ep33 – Rubem Fonseca & Luiz Alfredo Garcia-Roza

 

 

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *