5º Moagem Rock – Festival do Faça você mesmo!!

moagem-quinta-edicao

Neste último domingo 02/08, numa tarde ensolarada que iniciou-se o 5º  Moagem Rock, realizado extraordinariamente no Bar do Zé.

Uma tarde de domingo meio atípica no inverno, o festival começou com a apresentação do Crasso Sinestésico, tocando o bom e velho Punk/Garage Rock envenenado com muito Fuzz e Delay. A formação mudou um pouco, anteriormente era utilizada uma drum machine, que foi trocada por um Kit de bateria, o duo Crasso Sinestésico soa mais pesado e orgânico que nunca..

Bodão Hubner, veio derrubando todos os preconceito ideológicos na sequência.
Encarregado por tocar guitarra, kazoo, teclados, drum machine e fazer os vocais.
É um exemplo clássico para os preguiçosos, que ficam colados na frente de smartphones e computadores, dizendo que nada acontece em suas cidades.
Rock, no sentido amplo da palavra, destaque do festival pela versatilidade.

bodao-hubner

De Bragança Paulista, a duo Idiotas, tocaram um garage rock sem muita firula.

idiotas

Churumi, o duo mais bonito da cidade, agradou á todos, até as pessoas que não gostam de Punk Rock, com certeza nossas avós iriam se amarrar nestes caras. A banda mais carismática de Bom Jesus dos Perdões.

churumi

Quem nasceu primeiro? O ovo ou a galinha?Tudo bem, esta é velha, por isso a equipe do Duofox adora novidades e surpresas. Neste festival, pela primeira tivemos uma banda surpresa, de Bragança Paulista, O Deskraus, chutou o pau da barraca e fez até quem não gosta dançar, entrar no clima e se divertir. Punk Rock bonito.

deskraus


Para fechar a noite, Facka, que nestes últimos shows tem sido a One Man Band teleguiada por Matias Pícon. (Sonora Scotch/Animal Crackers).Com a sonoridade que remete as bandas pós-punks dos anos 80, cheia de eco e com acordes modais.

facka

Parafraseando Confúcio, “ tirem os traseiros do sofá e tudo virá”, fica a dica. Aguardamos o próximo Moagem Rock, com muita diversão e bandas que compartilham o ideal ” faça você mesmo”.

Diego Fernandes Escrito por:

Bebedor desenfreado de café e averso a picanha, Diego é desenvolvedor front-end e professor. É o fundador do Duofox. Na literatura não vive sem os russos Dostoiévski e Anton Tchekhov e consegue "perder" tempo com autores da terra do Tio Sam, Raymond Chandler e Melville. Acredita que a arte de maneira geral é a única forma de manter o ser humano pelo menos acordado, longe do limbo que pode levar a humanidade à Encruzilhada das Almas.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *